Satanás foi criado no céu?

Satanás foi criado no céu? Ele foi lançado do céu por Deus porque se tornou mau? Qual é a verdade sobre este ser?...

Escrever sobre esse ser é interessante, mas certamente mais interessante para o leitor é o que ele lerá a seguir.

Vamos começar com isso: Satanás é um nome alongado da palavra hebraica satan, ou el-satan, cujo adjetivo não é exclusivo dessa malícia espiritual e sim genérico, ou seja, aplica-se a qualquer pessoa ou ser que se torna adversário de outro. Até mesmo esse adjetivo é usado em Números 22:22 em referência ao anjo de Deus: “ o anjo do SENHOR o impediu. Uma transliteração aproximada deste verso poderia ser: “(malách Adonai badérej lesatán). Números 22:32 repete: “Saí como adversário” (anoji yatsáti lesatán). O significado de adversário também é encontrado em 1 Samuel 29:4; 2 Samuel 19:22 . etc.

Esta palavra, satanás, foi traduzida para o grego da Septuaginta como diabo, então satanás e diabo significam a mesma coisa, adversário.

Foi a experiência do povo hebreu que os fez distinguir a qual adversário se referiam em sua linguagem cotidiana. De resto, Satanás é dentro do cristianismo a palavra por excelência para se referir à antiga serpente ou dragão que será lançado no lago de fogo no Dia do Juízo. Sob este significado é encontrado em Zacarias 3:2 “ YHVY repreende você satanás ”.

Outro aspecto interessante de Satanás é seu caráter. O leitor curioso pode pesquisar toda a Sagrada Escritura e não encontrará um versículo em que se diga que o satanás foi sempre feliz. Verifica-se que seu personagem está com raiva, ele é um mentiroso, um assassino, cruel, implacável e muito mais. Satanás nunca fica feliz em causar danos simplesmente porque ele não foi criado com a virtude da felicidade, sua natureza é o ódio. Satanás não fica feliz em fazer os humanos sofrerem. Nem ele se cansa de fazer o mal. Assim, ele nunca é feliz, nunca sente prazer e nunca se cansa de fazer o mal. Ele também não sente pena de ninguém. A sua ira contra aqueles que se entregam voluntariamente sob o seu poder não se satisfaz ao vê-los mergulhados na desgraça ou na miséria, mas mata-os sem qualquer pingo de misericórdia, pois também não conhece a misericórdia. Mas embora o satanás seja terrível no poder, o humano pode lutar e derrotá-lo. Satanás é poderoso, mas não todo poderoso. Curiosamente, quanto mais uma pessoa é humilhada pelo diabo, mais ela se submete a ele. Chora em silêncio, geme pela insuportabilidade de sua condição, sabe que seu estado de frustração é lamentável, porém persiste na submissão e, embora sofra humilhações próprias e de estranhos, sua fidelidade ao jugo diabólico é fiel . A máxima “o diabo paga mal a quem o serve bem” não admite dúvidas; mas mesmo diante dessa submissão pessoal, Satanás não ri nem se regozija, mas seu ódio extraordinário permanece pregado na pessoa até que ele a derrote na morte. geme pela insuportabilidade de sua condição, sabe que seu estado de frustração é lamentável, mas persiste na submissão e, embora sofra humilhações de seus próprios e de estranhos, sua fidelidade ao jugo diabólico é fiel. A máxima “o diabo paga mal a quem o serve bem” não admite dúvidas; mas mesmo diante dessa submissão pessoal, Satanás não ri nem se regozija, mas seu ódio extraordinário permanece pregado na pessoa até que ele a derrote na morte. geme pela insuportabilidade de sua condição, sabe que seu estado de frustração é lamentável, mas persiste na submissão e, embora sofra humilhações de seus próprios e de estranhos, sua fidelidade ao jugo diabólico é fiel. A máxima “o diabo paga mal a quem o serve bem” não admite dúvidas; mas mesmo diante dessa submissão pessoal, Satanás não ri nem se regozija, mas seu ódio extraordinário permanece pregado na pessoa até que ele a derrote na morte.

Em suma, embora um livro de muitas páginas possa ser escrito sobre a natureza de Satanás, o propósito deste estudo não gira em torno de suas características, mas sim de sua origem. Casi el total de la Religión Cristiana da por cierto que hubo una vez cuando Satanás fue un ángel bueno y de mucha belleza e inteligencia, y que estando en tal condición se llenó de codicia y quiso destronar a Dios, por lo cual fue castigado siendo lanzado a terra. Embora não haja nada na Sagrada Escritura que sustente a ideia daquele anjo ganancioso imaginário, existem dois textos que tradicionalmente foram tomados como base para sustentar a ideia. Esses textos são analisados ​​aqui.

Capítulo I – A Criação

A criação teria sido incompleta se o plano de Deus tivesse excluído o mal. Sim, embora pouco ou nada se diga sobre a origem do mal, deve-se saber que ele foi criado por Deus; Sem a existência do mal, a Criação não teria sido perfeita e o homem não teria sido criado em total liberdade.

Nada existe sem um criador, e quem criou tudo é Deus. O que não existe não poderia se criar; porque se isso tivesse acontecido, então seria fácil concluir que houve um número ilimitado de coisas que se criaram, ou seria necessário admitir que além de Deus existe outro criador, o que é um absurdo. Uma vez que Deus é o único criador, aquele que trouxe tudo à existência, então cabe ao seu próprio peso entender que foi ele quem criou o mal. Isso é difícil de aceitar? Possivelmente sim; porém, entendendo que as coisas devem ser como devem ser, as coisas se tornam inteiramente claras, pois a perfeição de Deus de modo algum isolou, suprimiu ou impediu a existência do que deveria existir na criação terrena das coisas.

O mal não existe fora da Terra porque as coisas não têm livre arbítrio para determinar algo, o único criado com essa faculdade é o humano, e o humano é terreno, por isso o mal foi criado aqui na terra.

Gênesis 1:26 mostra que o único ser criado à imagem e semelhança de Deus é o homem. Sendo à semelhança de Deus, ele é o único com capacidade de pensar e determinar o que quer, por isso lhe foi dada a opção de decidir escolher o mal. Se fosse dito que ele foi criado à imagem e semelhança de Deus, mas sem a opção de exercer sua vontade, então sua criação não teria sido perfeita.

A verdade bíblica nunca diz que os anjos na glória foram criados à imagem e semelhança de Deus, com vontade de determinar, pelo contrário, eles foram criados exclusivamente para servir como declara Hebreus 1:7   E certamente dos anjos diz: Aquele que faz para seus espíritos anjos e para seus ministros uma chama de fogo . O comentário de Adam Clarke sobre este texto diz: “Eles estão tão longe de serem superiores a Cristo, que não são chamados filhos de Deus em nenhum sentido peculiar, mas seus servos, como tempestades e relâmpagos. Em muitos aspectos, eles podem ter sido inferiores até mesmo ao homem quando ele deixou as mãos de seu Criador, porque ele foi feito à imagem e semelhança de Deus; mas dos anjos, mesmo da mais alta ordem deles, isso nunca é falado.

Em toda a Escritura não há uma passagem para provar que os anjos têm livre-arbítrio, apenas o homem.

A lei do “assim deve ser” que menciono em outros estudos faz parte do caráter do Criador. Porque ninguém o impele a criar o que existe como existe, mas a força de seu caráter moral o impelia a ser imparcial em suas ações. Portanto, as coisas são como são porque é assim que deveriam ser. Esta é a única e suficiente razão para a criação do mal. 

Porque assim como foi criado o vazio, que foi dotado da maior força que se pode conhecer; em que inúmeras galáxias se movem sem sair do movimento que lhes foi atribuído. Assim como o bem-estar foi criado e milhares de outros elementos, o mal também foi criado. A palavra inspirada proclama uma verdade irrefutável: ” Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez “. João 1.3. 

Na Terra, tanto o bem quanto o mal funcionam alternadamente, um ao invés do outro, nunca juntos, nunca em fusão. O bem é a ausência do mal, e o mal é a ausência do bem. Ambos compráveis, ambos descartáveis. A frase: “nada do que foi feito foi feito”, é o mesmo que dizer: “Nada existe se Deus não o tivesse feito”.  

Como eu disse acima, para que algo exista, necessariamente requer um criador. Nada existe por si mesmo, porque é impossível que o inexistente possa se fazer existir simultaneamente; que o que não existe, ao mesmo tempo tem o poder de existir. É por isso que tudo o que existe tem um criador que é Deus. Portanto, atribuir a criação do mal a Satanás é diminuir o valor da obra de Deus ao imaginar que o diabo tem o poder de criar na mesma medida que Deus. E, ao mesmo tempo, contradiz as palavras de João 1.3. 

Isso torna mais fácil entender quem é o criador do mal e como entender o significado completo das palavras de João. Porque se o mal não foi criado por Deus por meio de seu Filho, então existem inúmeras possibilidades de coisas que ele não criou, o que contradiz suas palavras. Quando na Bíblia se diz que o diabo é o autor do mal, não se diz que ele é o seu criador.

O desígnio e a existência do mal foram traçados na eternidade como parte de um conjunto numeroso de aspectos que compõem a criação terrena; quando chegou a hora, suas funções foram ativadas. Entre esses numerosos aspectos estão os eventos realizados por Adão e Eva; salvação através de Jesus Cristo; a encarnação do Verbo; a absorção da Criação que será feita por toda a eternidade no fim dos tempos, e muito mais. Se não tivessem sido planejados e criados, esses acidentes não teriam sido realizados porque não teriam existido. Desta forma, o Criador demonstra sua capacidade criativa sem improvisar nada com o passar do tempo em que as coisas surgem. Tudo foi planejado e então trazido à existência.

Capítulo II – A Glória de Deus 

Note que venho dizendo que Deus criou o mal, mas não o criou para tê-lo ao seu lado; Ele o criou como parte da criação, para colocá-lo ao alcance do humano para que ele tenha duas opções para escolher, ou seja, o bem e o mal. 

A glória de Deus é o próprio Deus. Portanto, pensar que Deus criou o mal para tê-lo em sua glória é o mesmo que dizer que ele, sua glória e o mal são a mesma coisa, o que é blasfêmia.

Davi dá uma ideia do que significa glória: “ Porque você não é um Deus que se deleita no mal, os ímpios não habitarão com você ”. Salmo 5.4. Davi não apenas quer dizer que pessoas más não podem habitar com Deus, mas que o mal é incompatível com a glória divina. A glória de Deus é santidade no mais puro significado. Portanto, quando digo que o mal foi criado por Deus, estou dizendo que ele o criou como parte da criação terrena. 

Deus exige santidade total de seus filhos porque o mal é incompatível com ele, portanto, quando o casal pecou, ​​ele se ausentou e nunca mais voltou ao seu lado. Nenhuma parte da Sagrada Escritura diz que Deus é compatível com a natureza de Deus. Isaías 57:15 diz: ” Pois assim diz o Altíssimo, que habita na eternidade e cujo nome é Santo: “Habito em altura e santidade …”. A natureza de Deus é invariável, nunca foi, nunca veio a ser, nem será, mas é; isso explica por que o mal não coabita com ele porque sua natureza nunca muda. 

A natureza divina permanece. Provavelmente, a recusa em pensar ou aceitar que Deus foi o criador do mal decorre do desejo de manter sua natureza limpa e intacta. Claro que esse desejo é louvável, mas validá-lo nega que ele seja o criador de tudo, e se ele não o tivesse criado, o mal não existiria. 

Mas bem, este estudo não é sobre a natureza de Deus, e é por isso que evito entrar em extensões que me levariam por caminhos sem fim. A única coisa que quero esclarecer é que ter criado o mal é uma demonstração de seu caráter imparcial em criar as coisas como deveriam ser. 

Capítulo III  – O que não aconteceu

As narrativas populares de origem pré-cristã e cristã sobre eventos imaginários são abundantes e foram preservadas pelo folclore ao longo dos séculos. O que é folclore? O Dicionário da Royal Academy define-o como “Um conjunto de tradições, lendas, crenças, costumes, provérbios, etc., populares e mantidos pela tradição”. Sim, evidentemente a tradição cristã foi a criadora e promotora do belo anjo que batizou como Lúcifer.

É chamado de pré-cristão porque desde que o homem se separou do Criador, ele não apenas passou a formar ídolos e adorá-los, mas também tentou alcançar as alturas onde está o trono de Deus construindo uma torre. Na esfera cristã, acredita-se que a glória de Deus tenha sido alcançada e distorcida por meio de fábulas como a de um suposto anjo imensamente superior ao Filho de Deus, superior em beleza e poder a ponto de ser atração e admiração das hostes de Deus, anjos que o viam como seu líder e como o favorito de Deus. Supõe-se que tenha sido superior porque o Filho de Deus nem sequer é mencionado em nenhuma posição, mas foi relegado a um canto do anonimato total. Sabe-se que Deus criou um anjo favorito não porque a Escritura diz isso, mas porque a tradição o inventou dessa maneira.

Usando eisegese

O que se entende por eisegese? Entre várias definições posso dizer que é o processo de interpretar um texto de tal forma que a pessoa introduz suas ideias fazendo com que pareçam ser isso que o texto implica.” A eisegese é o oposto da exegese que consiste no processo de interpretar corretamente um texto, principalmente religioso, para dele extrair o sentido correto.

Em outras palavras, quem usa a eisegese em vez de extrair o sentido correto de um texto o altera introduzindo suas próprias ideias. Um exemplo desse processo de raciocínio incorreto é a maneira como Isaías 14:12 foi interpretado ao longo dos séculos. “Como você caiu do céu, oh Lucero, filho da manhã! Você foi derrubado no chão, você que enfraqueceu as nações .”

Na versão da Vulgata Latina, este texto diz: “quomodo cecidisti de caelo lucifer qui mane oriebaris corruisti in terram qui vulnerabas gentes”. É a partir desta versão latina que começou o processo de introdução de satanás em uma profecia que não lhe diz respeito, sugerindo que Lúcifer é o nome original do “anjo” que mais tarde aparece como Satanás. Claro, a explicação correta leva a entender que Isaías está profetizando a queda da Babilônia nas mãos do império persa. Deve-se lembrar que a época a que Isaías se refere foi quando Babilônia era incalculavelmente rica, razão pela qual o profeta a descreve como tal, e o rei a quem a profecia é dirigida é apresentado no dia de seu nascimento com exuberante pompa. Ser abatido do céu para a terra significa que Deus acabaria com o esplendor da Babilônia e toda a sua riqueza passaria para as mãos dos persas. Assim, o Lúcifer da versão latina de forma alguma se refere a satanás. No entanto, a eisegese distorce o significado introduzindo idéias folclóricas, dizendo que Isaías 14:12 indiretamente se refere ao diabo. 

Se alguém quisesse distorcer a profecia de Isaías, a palavra hebraica heilel poderia ter sido tomada, que é algo como “estrela brilhante” para aplicá-la a Cristo, pois 2 Pedro 1:19 se refere à esperança da salvação por meio de Cristo ” Temos também o mais palavra profética permanente, à qual fazeis bem em estar atentos como a uma tocha que brilha em lugar escuro até que o dia amanheça, e a estrela da alva se levante em vossos corações . Assim, se alguém quisesse deturpar a frase hebraica heilel ben shajar (estrela filho da manhã) seria atribuí-los a Cristo, não ao diabo.

O Comentário Bíblico de Adam Clarke (em inglês) fornece um comentário interessante sobre isso:

“Ó Lúcifer, filho da manhã – As versões geralmente concordam com esta tradução e registram heilel como significando Lúcifer, fósforo, a estrela da manhã, Júpiter ou Vênus; pois ambos são portadores da luz da manhã, ou estrelas da manhã anualmente em seu retorno. E embora o contexto fale explicitamente sobre Nabucodonosor, ainda assim isso foi, não sei por que, aplicado ao chefe dos anjos caídos, que é incongruentemente chamado Lúcifer (o portador da luz!) um epíteto tão comum para ele. como os de Satanás e do Diabo. Que o Espírito Santo, por meio de seus profetas, chamasse esse arquiinimigo de Deus e o homem portador da luz, seria realmente estranho. Mas a verdade é que o texto não diz nada sobre Satanás ou sua queda, ou a ocasião dessa queda, que muitos teólogos deduziram com grande confiança deste texto. Oh, como é necessário entender o significado literal das Escrituras, que comentários absurdos podem ser evitados! Além disso, duvido muito que nossa tradução esteja correta…”. 

Adam Clarke está correto em seu comentário, pois Isaías está profetizando contra Babilônia e contra seu rei, porém a eisegese por séculos insinuou que, embora essa profecia se refira ao rei da Babilônia, também é uma referência a Satanás. O erro está em unir as palavras de Isaías com o significado de Apocalipse 12:9: “ E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama Diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo; ele foi lançado por terra, e seus anjos foram lançados com ele ” o que não tem relação com o tempo ou significado ou pessoas, mas como o objetivo é afirmar a ideia de que “o anjo de beleza singular se rebelou e foi lançado para o chão”, força é feita para unir as palavras de ambas as profecias.

Desse tipo de comentários que utilizam a eisegese, um deles diz:

“O contexto imediato desta passagem é um discurso que o profeta Isaías faz ao homem “rei da Babilônia” (14:4). Há boas razões para acreditar, no entanto, que Isaías vai além do rei literal de Babilônia para o poder espiritual real que motiva seu rei terrestre — a saber, Satanás. Satanás, creio eu, está lidando com a pessoa deste rei da terra. Por que essa conclusão? As declarações nesta seção de Isaías parecem ir além do que poderia ser o caso de um rei humano. Por exemplo, o versículo 12 diz: “Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Você foi derrubado no chão, você que enfraqueceu as nações. ” O ser descrito aqui obviamente tinha uma posição muito alta no “céu”. Essa descrição se encaixaria melhor em um ser espiritual, como Satanás, do que em um rei terreno.” 

O escritor deste diz que: ” Há boas razões para acreditar, no entanto, que Isaías vai além do rei literal da Babilônia para o poder espiritual real que motiva seu rei terreno – isto é, Satanás .” Curiosamente, ele evita explicar quais são essas boas razões; ele não os explica porque não estão na Bíblia, mas apenas na lenda, portanto, ele nunca fornecerá essas boas razões. Ele reafirma sua eisegese (lembre-se o que é eisegese) dizendo: “ O ser descrito aqui obviamente tinha uma posição muito alta no “céu ”. Não explica por que você coloca céu entre aspas.

Neste mesmo comentário, mas mais abaixo, ele acrescenta:

“A Condição Original de Satanás (Ezequiel 28:12-19)

“12 Filho do homem, levanta endechas sobre o rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o Senhor DEUS: Tu eras o selo da perfeição, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. 13 No Éden, no jardim de Deus você estava; sua roupa foi feita de todas as pedras preciosas; cantorina, topázio, jaspe, crisólito, berilo e ônix; de safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; a beleza de seus tambores e flautas foi preparada para você no dia de sua criação. 14 Tu, grande querubim, protetor, eu te coloquei no monte santo de Deus, lá estavas tu; no meio das pedras de fogo você andou. 15 Você foi perfeito em todos os seus caminhos, desde o dia em que foi criado, até que se achou iniqüidade em você. 16 Por causa da multidão dos teus contratos foste cheio de iniqüidade e pecaste; então eu te expulsei do monte de Deus, e eu te lancei de entre as pedras do fogo, ó querubim protetor. 17 O teu coração se elevou por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu esplendor; vou jogar você no chão; Eu o colocarei diante dos reis para que eles olhem para você. 18 Com a multidão da tua maldade e com a iniqüidade dos teus contratos profanaste o teu santuário; Então eu tirei fogo do meio de vocês, e ele os consumiu, e eu os transformei em cinzas no chão, à vista de todos os que olham para vocês. 19 Todos os que te conheceram dentre os povos se admirarão de ti; você será terrível, e não existirá mais.” … “O versículo 15 diz: “Você era perfeito em todos os seus caminhos, desde o dia em que foi criado, até que a iniqüidade foi encontrada em você.” O anjo que hoje conhecemos como Satanás não foi criado mau. Ele costumava ser irrepreensível em seus caminhos, e foi criado perfeito, com sabedoria e beleza. Esta perfeição, no entanto, durou até que a iniqüidade foi encontrada nele. Em algum momento Satanás veio a se opor a Deus. Também vemos neste versículo que Satanás foi criado. Por mais poderoso que Satanás seja, ele não é eterno como Deus.” 

Como imaginação, tirando as palavras do profeta fora de seu contexto, a ideia é linda, pois verdadeira sua classificação é zero. Em primeiro lugar, o que ela diz é a mesma coisa que se repete há séculos. Com base em sua imaginação, ele diz que ” o anjo que hoje conhecemos como Satanás não foi criado mau “. Ele diz isso, mas não cita nenhum texto bíblico onde ocorreu tal transformação, não o cita porque não é baseado na Bíblia.

Lembre-se que satanás, ou el-satan, é mencionado nas Escrituras pelo nome desde antes da profecia contra o rei de Tiro ser dada (veja Jó cap. 1). Portanto, não é verdade que Satanás passou a ser conhecido como tal somente após a profecia contra o rei de Tiro. Este é um tremendo erro eisegético.

É de mau gosto pensar que nem ao Santíssimo Filho de Deus se atribui toda a algazarra e pompa que se atribui a Satanás. 

Para entender por que a profecia descreve o rei de Tiro com palavras tão elevadas, deve-se lembrar que Tiro e seu rei mantiveram uma relação de amizade íntima com Israel, mesmo na construção do templo em Jerusalém Hiram (2 Samuel 5; 1 Reis 5 .) ele não poupou nada que Salomão lhe pediu, pelo que o Deus Altíssimo recompensou ele e seus descendentes com grande riqueza. Tudo estava indo bem para Tiro, mas parece que foi Itbaal, sucessor de Hiram, que abandonou o temor de Deus pelo qual foi punido como o rei da Babilônia. 

O Comentário Bíblico de John Darby sobre Ezequiel 28 diz:

“Embora em certo sentido no território de Israel, Tiro tenha outro caráter e seja objeto de uma profecia separada (capítulos 26-28), porque representa o mundo e suas riquezas, em contraste com Israel como o povo de Deus ; e ele se alegra, não como os outros por ódio pessoal, mas porque (tendo interesses conflitantes) a destruição do que restringia sua carreira deu livre curso ao seu egoísmo natural. É notável nessas profecias, como Deus abre todos os pensamentos do homem em relação ao seu povo e o que eles têm sido para com ele.

No capítulo 27, Tiro é julgado por sua má vontade para com o povo e a cidade de Deus. É derrubado como sistema mundano, e tudo o que formou sua glória desaparece ao sopro de Jeová.

No capítulo 28, é o príncipe e o rei de Tiro que são julgados por seu orgulho. Os versículos 1-10 (Ez 28:1-10) apresentam-nos o príncipe da glória deste mundo como homem, exaltando-se e procurando apresentar-se como um deus, tendo adquirido riquezas e glória pela sua sabedoria. Versículos 11-19 (Ez 28:11-19), enquanto ainda fala de Tiro, vá, penso, muito mais longe, e divulgue, ainda que obscuramente, a queda e os caminhos de Satanás, fazendo-nos através do nosso pecado o príncipe e deus de este mundo O príncipe de Tiro representa Tiro e o espírito de Tiro. Os versículos que se seguem ((Ez 28:11-19) são muito mais pessoais. Não duvido que, historicamente, a própria Tiro seja referida; os versículos 16-19 (Ez 28:16-‘9) provam isso. , a mente do Espírito vai muito mais longe. O mundo e seus reis são apresentados como o jardim de Jeová por causa das vantagens que usufruem. (O governo externo de Deus está em questão, que até então havia sido reconhecido pelas diferentes nações ao redor de Israel). No entanto, isso se aplica mais especialmente a Tiro, que estava situada no território de Israel, na terra de Emanuel, e que, na pessoa de Hirão, aliou-se a Salomão, e até ajudou a construir o templo. a culpa era proporcional. É o mundo em relação a Deus, e se o príncipe de Tiro representa esse estado de coisas como o mundo, e um mundo que foi altamente exaltado em suas capacidades por essa posição, uma exaltação da qual ele se vangloria ao se divinizar, o rei representa a própria posição em que, sob este aspecto, o mundo foi colocado, e o abandono disso lhe confere o caráter de apostasia. É este personagem que dá ocasião para a declaração da apostasia do inimigo contida nestes versículos. Foi onde floresceram as plantas de Deus [1], foi coberta de pedras preciosas (isto é, com toda a variedade de beleza e perfeição, na qual a luz de Deus se reflete e se transforma quando se manifesta nela, e com respeito, criação). Aqui o reflexo variado dessas perfeições estava na criatura: uma criatura era o meio de sua manifestação. Não era luz, por si só. (Deus é luz, Cristo é a luz aqui embaixo, e como Ele vive em nós, somos luz Nele). Era o efeito da luz agindo sobre a criatura, como um raio de sol em um prisma. É um desenvolvimento de sua beleza, que não é sua perfeição essencial, mas procede dela.

A seguir estão as características do caráter do rei de Tiro, ou do inimigo de Deus, o príncipe deste mundo. Ele é o querubim ungido, está coberto de pedras preciosas, esteve no Éden, o paraíso de Deus, no monte de Deus, andou no meio das pedras de fogo, foi perfeito nos seus caminhos até que a iniqüidade foi encontrado. no. Ele é expulso do monte de Deus por causa de suas iniqüidades; seu coração foi elevado por sua beleza e ele se corrompeu. Além, encontramos o que, quanto à criatura, é o mais exaltado; ele age no governo judicial de Deus de acordo com a inteligência de Deus (este é o caráter do querubim ungido). É revestido com a beleza moral que reflete de várias maneiras o caráter de Deus como luz [2]. Ele é reconhecido entre as plantas de Deus, em que Deus mostrou sua sabedoria e seu poder na criação, de acordo com seu grande prazer, como criador. Ele também esteve onde a autoridade de Deus foi exercida, na montanha de Deus. Ele andou onde as perfeições morais de Deus foram exibidas em sua glória, uma glória diante da qual o mal não poderia resistir: “as pedras de fogo”. Seus modos tinham sido perfeitos. Mas todas essas vantagens foram a ocasião de sua queda e a caracterizaram. Porque os privilégios que desfrutamos sempre caracterizam nossa queda. De onde caímos? é a questão; porque é o fracasso ali, quando o possuímos, que degrada nossa condição. Além disso, não é uma tentação externa, como no caso do homem, circunstância que não eliminou a culpa do homem, mas modificou seu caráter. “

O julgamento de Sidon é adicionado. E então, tendo sido tiradas todas as esperanças de Israel, quando o julgamento das nações ocorrer, Deus os reunirá e os fará habitar em paz em sua terra para sempre”.

Nenhuma referência a Satanás é feita aqui. Não é feito porque a profecia a respeito de Tiro não admite o uso da eisegese para incorporar idéias folclóricas. John Darby (yon darbi) em seu comentário e ele nem sugere satanás. 

Outros comentários, como o de Jamiesson Fausset e Brown, adicionam uma pitada de eisegese às suas palavras, incluindo Satanás e o anticristo, mas em relação à história de Tiro e seu rei Itbaal é bastante informativo; no comentário sobre Ezequiel 28 eles dizem:

“dois. Porque, etc. – Repetido no v. 6; a apodose começa com v. 7. “O príncipe de Tiro” naquela época era Thobal, ou Ithbaal II; o nome implica sua relação íntima com Baal, o deus supremo dos fenícios, de quem ele era representante. Eu sou um Deus; na cadeira de Deus eu me sento no meio dos mares – Como Deus se senta em sua cidadela celestial, a salvo de todo mal, então me sinto seguro em minha fortaleza inexpugnável em meio aos elementos mais tempestuosos, competente para lidar com eles como eu quiser, e faço isso atendem aos meus interesses. A linguagem, embora aqui aplicada ao rei de Tiro, como linguagem semelhante ao rei da Babilônia (Is 14:13-14), ainda assim tem um cumprimento mais completo em Satanás e sua plena expressão no Anticristo (Dn 7:25). ; Dan 11:36-37; 2Ts 2:4; Ap 13:6). Esse sentimento de elevação sobre-humana no rei de Tiro era fomentado pelo fato de que a ilha em que Tiro estava assentada era chamada de “ilha sagrada” [Sanconiathon], sendo sagrada para Hércules, a tal ponto que as colônias consideravam Tire como a cidade mãe de sua religião, bem como de sua existência política. A palavra hebraica para “Deus” é El, isto é, o Poderoso. ser seu homem — cortando a ironia. você definiu seu coração como o coração de Deus – você se considera como deus. isto é, o Poderoso. ser seu homem — cortando a ironia. você definiu seu coração como o coração de Deus – você se considera como deus. isto é, o Poderoso. ser seu homem — cortando a ironia. você definiu seu coração como o coração de Deus – você se considera como deus.

3. Ezequiel alude ironicamente à opinião arrogante de Ithbaal sobre sua própria sabedoria e a dos tírios, como superior à de Daniel, cuja fama havia alcançado até Tiro; como eclipsou a dos sábios caldeus. “Você é mais sábio”, isto é, em sua própria opinião (Zc 9:2). não há segredo – esquecendo as riquezas (v. 4). que seja escondido de você – isto é, que possa ser escondido.

5.—(Sl 62:10).

6. Portanto, etc. – que resume o v. dois.

7. Portanto, a apodose da sentença. estrangeiros, os poderosos dos gentios – os estrangeiros caldeus, conhecidos por sua ferocidade (Jr 30:11; 31:12). contra a beleza de sua sabedoria – isto é, contra suas belas posses adquiridas por sua sabedoria da qual você se orgulha tanto (vv. 3-5). eles mancharão seu esplendor – eles escurecerão o esplendor de seu reino.

8. Até o osso – as profundezas do mar; a figura é a de alguém que é derrotado em uma batalha naval. as mortes – no plural, uma vez que vários tipos de morte são indicados (Jr 16:4). daqueles que morrem – como qualquer um morre em batalha.

9. Dizendo – você ainda dirá, referindo-se ao v. 2: “Eu sou Deus”, antes do seu assassino? Você, cara, está faltando a conjunção adversativa “mais” em nossa versão. Seu dito blasfemo será mostrado falso e ficará provado que você é apenas um homem, e não Deus, porque você cairá diante de seu assassino.

10. Você morrerá da morte do incircunciso – isto é, uma morte como os incircuncisos pagãos e ímpios merecem; e talvez também uma morte como a infligida pelo incircunciso, grande infâmia aos olhos de um judeu. (1Sa 31:4); uma retribuição proposital para aquele que zombou dos judeus circuncidados.

12. Você sela a proporção – lit.: “É você que está selando a proporção perfeitamente”. Uma coisa é selada, quando está completa (Dn 9:24). “Proporção” implica a medida completa da beleza, de uma raiz habeana “medida”.

13. No Éden — O rei de Tiro é apresentado em seu antigo estado elevado (em contraste com sua queda final), sob imagens tiradas do homem primitivo no Éden, o tipo de humanidade em sua forma mais sagrada. jardim de Deus – o modelo de beleza ideal (Jr 31:8-9; 36:35). Na pessoa do rei de Tiro, um novo teste foi feito com o homem com as maiores vantagens terrenas. Mas, como no caso de Adão, as boas dádivas de Deus foram transformadas em ministros do orgulho e do egoísmo. toda pedra preciosa – assim no Éden (Gn 2:12), “ouro, bdélio e pedra angular”. Assim, o rei de Tiro se adornou com roupas de jóias, de acordo com o costume dos monarcas orientais. As nove pedras preciosas mencionadas aqui correspondem a nove das doze (representando as doze tribos) no éfode do sumo sacerdote (Êx 39:10-13; Ap 21:14, Ap 21: 19-21). Das quatro fileiras de três pedras em cada uma, a terceira é omitida do texto hebraico, mas é fornecida na Septuaginta. Nisto, também, há uma referência adicional ao Anticristo, que blasfemamente usurpará a posição de nosso divino Sumo Sacerdote (Zc 6:13). dia da sua criação – no dia da sua ascensão ao trono. Tambores e todos os sinais de júbilo já estavam preparados para você. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. o terceiro é omitido do texto hebraico, mas é fornecido na Septuaginta. Nisto, também, há uma referência adicional ao Anticristo, que blasfemamente usurpará a posição de nosso divino Sumo Sacerdote (Zc 6:13). dia da sua criação – no dia da sua ascensão ao trono. Tambores e todos os sinais de júbilo já estavam preparados para você. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. o terceiro é omitido do texto hebraico, mas é fornecido na Septuaginta. Nisto, também, há uma referência adicional ao Anticristo, que blasfemamente usurpará a posição de nosso divino Sumo Sacerdote (Zc 6:13). dia da sua criação – no dia da sua ascensão ao trono. Tambores e todos os sinais de júbilo já estavam preparados para você. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. há uma referência adicional ao Anticristo, que blasfemamente usurpará a posição de nosso divino Sumo Sacerdote (Zc 6:13). dia da sua criação – no dia da sua ascensão ao trono. Tambores e todos os sinais de júbilo já estavam preparados para você. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. há uma referência adicional ao Anticristo, que blasfemamente usurpará a posição de nosso divino Sumo Sacerdote (Zc 6:13). dia da sua criação – no dia da sua ascensão ao trono. Tambores e todos os sinais de júbilo já estavam preparados para você. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas. Você não teve, como outros, que abrir caminho para o trono. Assim que você foi criado, como Adão, você foi cercado por todas as delícias do Éden. Fairbairn, por “fifes”, traduz “fêmeas” (com referência a Gn 1:27, ou seja, mulheres musicistas. Maurer explica o hebraico com referência não à música, mas ao ajuste das pedras preciosas já mencionadas.

14. Tu grande querubim – Gesenius traduz de uma raiz aramaica, “querubim estendido”. A versão em inglês, de uma raiz hebraica, “ungido”, que é melhor. “Referindo-se aos querubins do templo, ungidos para o Senhor.” [Fairbairn.] cobrindo – A figura empregada por Ezequiel é tirada do templo judaico, onde os querubins sombreavam o propiciatório, assim o rei de Tiro, um semideus em sua própria opinião, estendeu sua proteção sobre os interesses de Tiro . O querubim — composto das mais altas classes de existência animal e um tipo de homem redimido em seu estado final de perfeição — é feito a imagem do rei de Tiro, como se ele fosse o belo ideal da humanidade. Para as reivindicações do Anticristo é feita mais referência, de quem o rei de Tiro é um tipo. Veja “Como Deus… no templo de Deus” (2Ts 2:4). Eu coloquei você – você não se colocou (Pv 8:16; Rm 13:1). no monte santo de Deus – Sião, a metáfora continua. no meio de pedras de fogo – em metáfora ambiciosa, ele ficou no lugar de Deus, “sob cujos pés estava como que uma pavimentação de safira”, enquanto sua glória era como “um fogo ardente” (Êx 24:10, Êxodo 24:17).

15. perfeito – próspero [Grotius], e sem defeito. Assim, Hiram foi um exemplo do monarca tírio em seus primeiros dias de sabedoria e prosperidade (1Rs 5:7, etc.). até que a maldade foi encontrada em você – como o homem primitivo, você caiu por abusar dos dons de Deus e, assim, provocou sua ira.

16. você estava cheio – lit., “eles encheram o meio de você”; ele, como chefe de estado, está envolvido na culpa do estado; pois não impediu o mal, mas o encorajou. Eu te expulso – em vez disso, “eu te expulso” como uma coisa profana; não mais tratado como santo, portanto excluído do lugar santo (v. 14), que você ocupou (veja Sl 89:39).

17. seu esplendor – sua glória real. Eu o colocarei diante de reis – um exemplo da ira de Deus contra o orgulho insolente.

18. seu santuário – isto é, os lugares santos (plural, em hebraico), atribuídos ao rei de Tiro no v. 14, como sua posição ideal. Ele os profanou, então Deus o “profanará” (ou rejeitará como profanado) (v. 16). incêndio .

Esses comentários reforçam a verdade das coisas, evitando imaginar que as profecias de Isaías e Ezequiel são uma declaração indireta ao diabo.

O que Apocalipse 12:7-9 diz

“E houve uma grande batalha no céu: Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão; e lutou contra o dragão e seus anjos,

E não prevaleceram, nem mais se achou o seu lugar no céu.

E foi expulso aquele grande dragão, aquela antiga serpente, chamada Diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi lançado por terra, e seus anjos foram lançados com ele”.

Vamos comentar sobre isso com os seguintes números:

1 Sem dúvida, as cenas descritas em Apocalipse 12 são eminentemente simbólicas; ou seja, embora pessoas e eventos sejam mencionados, o desenvolvimento do que aconteceu não foi literal, mas simbólico; o texto diz que essa batalha aconteceu no céu, com dois exércitos poderosos: o de Miguel e o do dragão. A primeira dessas cenas, no versículo 1, menciona que no céu havia uma mulher com dores de parto. A segunda cena mostra que no mesmo lugar o dragão estava esperando a criança nascer para devorá-la. A terceira cena mostra Miguel e seus anjos guerreando contra o dragão e os seus. Se se acredita que essa batalha ocorreu no céu, deve-se admitir que a mulher também estava no céu, no entanto, geralmente é evitada a menção de que essa mulher está no mesmo lugar e a ênfase é feita em Michael e no dragão. Organizar as coisas para favorecer as crenças folclóricas evitando cenas anteriores não é exegese, mas eisegese.

2 O argumento tradicional evita dizer que esta mulher simbolizava Israel, e o filho que ela deveria dar à luz era nosso Senhor Jesus. A narrativa de Apocalipse 12 é uma só, ou seja, ambas as cenas da mulher, do dragão e da guerra são uma só. Se é dito que esta batalha aconteceu no céu, deve-se aceitar que a mulher também estava no céu.

3. Apocalipse 12:9 não menciona um certo Lúcifer, mas o dragão, a antiga serpente chamada diabo e Satanás. Então, como eu disse acima “que não tem relação ou tempo ou significado ou pessoas”. Ou seja, entre as profecias de Isaías e Ezequiel com as de Apocalipse 12 não há a menor relação de tempo; caso contrário, deve ser explicado a que horas essa mulher estava no céu dando à luz, a que horas o dragão ou lúcifer tentou devorar a criança e a que horas o suposto Lúcifer foi punido com a morte. Não há relação de significado ou de pessoas porque o rei de Tiro mencionado por Ezequiel não tem relação com o dragão.

4 A confusão fica pior ao ler Gênesis 3 e ver que a antiga serpente que é o mesmo dragão, diabo e Satanás enganou a mulher no Éden, ou seja, já que Gênesis 3 o menciona como um diabo ou Satanás agindo como tal, o que significa que até então ele já havia se tornado um demônio ou um dragão. A questão pode ser em que momento isso aconteceu, antes da batalha de Apocalipse 12 ou depois? Como o que é dito em Gênesis se compara com o que é dito por Isaías, Ezequiel e Apocalipse? Porque se Apocalipse 12 for tomado como base para afirmar que Satanás foi expulso do céu depois daquela batalha contra Miguel, teria que ser dito que tal batalha aconteceu antes de Eva ser enganada. Da mesma maneira, Deve ser explicado por que Isaías e Ezequiel falam do rei da Babilônia e do rei de Tiro ligando um evento que supostamente ocorreu milhares de anos após o engano de Eva. Toda essa mistura é incongruente, pois as profecias anunciam eventos que estão por vir, uma profecia nunca se refere a eventos ocorridos há milhares de anos; portanto, nenhuma das três profecias se refere ao diabo e é errado tomá-las como base para afirmar que satanás estava no céu como um anjo bom.

As palavras de nosso Senhor: “E ele lhes disse: Eu vi Satanás caindo do céu como um relâmpago” (Lucas 10:18) ser aplicadas a algo que aconteceu antes de Eva ser enganada? Provavelmente não.

Fica assim exposto que a profecia de Isaías 14:12, Ezequiel 28 e Apocalipse 12 de modo algum se refere direta ou indiretamente a Satanás. Os Comentários Bíblicos formais não fazem referência a Satanás; sair da interpretação correta usando a eisegese para introduzir idéias estranhas em um texto bíblico não é saudável para conhecer a verdade.

Capítulo IV – A Glória de Deus

A glória de Deus é falada pelo que nossa mente conclui sem com isso se aproximar do que ela realmente é. Falamos da glória de Deus por causa do que a Escritura diz. Isaías, Ezequiel e João, embora não forneçam detalhes, o mencionam, dando aos leitores uma ideia aproximada. Quem se der ao trabalho de compilar todos os versículos que mencionam a glória chegará à conclusão de que a glória é o próprio Deus, é a sua presença, é o resumo do seu ser, da sua pureza, da sua força. Dizer que Deus habita em sua glória é dizer que ele habita em si mesmo, pois ele e sua glória não estão separados. Isso é o mesmo que dizer que nós e nosso espírito somos nós mesmos e nunca duas partes diferentes. 

Apocalipse 4:2-5 descreve a glória de Deus assim:

“E imediatamente fui em Espírito: e eis que um trono estava posto no céu, e um assentado no trono. E aquele que estava sentado era aparentemente como uma pedra de jaspe e cornalina: e havia um arco celestial ao redor do trono, semelhante em aparência a uma esmeralda… E do trono vinham relâmpagos e trovões e vozes. ”.

Embora possamos ler esta descrição, entender o significado é impossível; e é devido a fatores que geralmente não são levados em conta ao lê-lo como o estado de pureza em que Juan se encontrava, o que lhe permitiu resistir à terrível força que emana a glória, de tal forma que não o matou. O humano médio exposto à glória de Deus morreria imediatamente

Isaías sentiu que estava prestes a morrer:

“No ano em que o rei Uzias morreu, vi o Senhor sentado em um trono, alto e exaltado, e suas saias enchiam o templo. E acima dele estavam serafins: cada um tinha seis asas; com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés e com duas voavam. E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, santo, santo, o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. E as ombreiras das portas tremeram com a voz daquele que chorava, e a casa se encheu de fumaça. Então eu disse: ai de mim! que estou morto; que sendo homem de lábios impuros e habitando no meio de um povo de lábios impuros, meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos. E um dos serafins voou para mim, tendo na mão um carvão em brasa, tirado do altar com uma tenaz: E tocando-o na minha boca, ele disse: Eis que isto tocou os teus lábios, e a tua culpa foi tirada, e o teu pecado foi purificado”. (Isaías 6:1-7).

Gênesis 1:26 e Gênesis 3 falam do relacionamento de Deus com o primeiro casal, mas aqueles de nós que leem essas cenas não conseguem entender o alto grau de pureza dos humanos que falaram com o Criador sem que a narração apresente detalhes do relacionamento. da glória de Deus.

Nossa mente não foi dotada da capacidade de entender o que é a glória de Deus e, embora João e Isaías a mencionem, ler sua experiência não é o mesmo que estar em contato com ela.

Por que estou mencionando isso? Menciono isso porque no céu só existe a glória de Deus no mais puro estado de santidade. Em Deus, isto é, em sua glória, o mal não habita. Isso é necessário ter em mente para entender o próximo capítulo.

Capítulo V – Atos que nunca aconteceram

Pegue ideias que declarem boas e depois ruins; de beleza singular e depois horrível para alguém sobre quem a Sagrada Escritura nada diz, é ignorar a verdade. É simples imaginação de um suposto evento de rebelião angelical que nenhum livro da Sagrada Escritura menciona. Talvez tal rebelião pudesse ter se originado no espúrio Livro de Enoque, no qual os chamados anjos se rebelaram secretamente contra Deus, não para destroná-lo, mas para vir à terra para procriar filhos com mulheres. Essa narrativa espúria, juntamente com Apocalipse 12, poderia ter servido para imaginar a suposta rebelião do diabo no céu.

O argumento tradicional nunca poderá explicar como na glória de Deus está o mal que se apossou do anjo bom e o transformou em mal; pois ao explicá-lo estaria seguindo os ensinos gnósticos que apontam para Deus como um ser maligno, e porque isso contradiz as Escrituras. O Salmo 5:4 declara: “Pois tu não és um Deus que ama a maldade; os ímpios não habitarão contigo.” Neste texto o adjetivo mal não se limita a um homem, mas a tudo que é contrário à natureza de Deus. Isso significa que na glória de Deus nunca existiu a fonte do mal que se apoderou do chamado anjo bom e o encheu de ganância para se tornar mau. Deve-se saber que para o diabo se tornar mau na glória de Deus, essa fonte deve ter existido. Ou aquele anjo bom criou o mal? Deve ser demonstrado com textos que onde Deus habita há mal. Porque se lá não existe o mal, de onde veio aquela corrente que se apoderou de “Lúcifer” que o transformou de bom em mau?

Ele não se fez um demônio. Ao declarar que o diabo não se fez diabo, nem havia nada para mudá-lo, estou me referindo à sua natureza, a tudo relacionado ao seu ser. 

Nenhum ser no céu ou na terra tem o poder de mudar sua própria natureza, porque se houvesse, teria que aceitar que existe outro ser com a mesma capacidade de criar ou mudar a natureza dos anjos. Existe outro ser com a mesma capacidade de Deus?

Deus fez os seres como eles são, e ninguém deu poder para transformar ou modificar a si mesmo. Portanto, são apenas ideias que sustentam a crença de que o diabo se fez diabo lá no céu. O diabo foi criado como é conhecido. Nunca houve quando ele se rebelou contra Deus, prova disso é que apenas as ideias tradicionais suportam tal coisa. Acreditar que Satanás se rebelou contra o Criador e que um grande número de anjos simpatizou com sua rebelião sem que Deus soubesse é esquecer que Deus sabe tudo mesmo quando as coisas ainda não existem. Não, não há outro criador que criou o mal e influenciou o anjo bom imaginário e o tornou mau e ganancioso. Não,

Tal acidente ou metamorfose (mudança de forma e natureza) não aconteceu, mas se você deixar de fora os detalhes principais e evitar considerá-los, é fácil concluir que tal acidente aconteceu. 

O que é limitado é que na corte celestial havia um anjo de beleza singular. A questão é: existe alguma evidência bíblica que mencione isso? Realmente não; portanto, por não existir, as profecias de Isaías e Ezequiel são distorcidas para configurá-lo. Tal anjo com características únicas nunca existiu porque o Criador nunca o criou (quem o criou foi a mente humana sem mostrar textos). 

Diz-se também que este anjo imaginário, pela sua singularidade, era o favorito de Deus. Tal preferência também não pode ser demonstrada porque também não existia. 

Diz-se até que o resto dos anjos o invejavam e olhavam desconfiados para a maneira preferencial com que Deus o tratava. Isso pode ser comprovado? Não realmente, não pode ser provado porque tal composição reside apenas na imaginação. 

Indo além da imaginação, diz-se que este anjo, considerando sua importância na glória, forjou planos para destronar Deus, para o qual começou a conquistar outros anjos para que o seguissem como líder; Com essa ideia, está sendo dito que aqueles anjos sabiam que Deus não estava ciente do que estava acontecendo. As bases podem ser mostradas que existem eventos dos quais Deus não está ciente?

Já disse antes: nenhum ser pode optar por algo que não existe. Para os seres decidirem sobre algo, esse algo deve existir; se ela não existe, então eles não podem ser determinados a ela. Portanto, nenhum anjo pode, ou poderia ter escolhido ou se inclinado para o mal, porque o mal não foi criado para eles, mas foi criado como parte da criação terrena. O mal pertence aos humanos, não aos anjos. A consideração dos anjos como alternativa ao pecado é apenas produto do ressentimento humano pela dolorosa situação em que se encontra afundado. 

É inédito para os humanos pensarem que o mal, como uma corrente flutuante, moveu-se em glória até que, acidentalmente ou premeditadamente, entrou naquele anjo supostamente bom que se transformou em mal. Se assim fosse, então teria de se concluir que o mal é todo-poderoso para existir sem que Deus o tenha criado em sua glória. 

O terceiro céu é a pureza no mais alto de seu significado, do qual é blasfemo imaginar que onde mora a glória o mal habitou para causar dano aos seres que ele criou para seu louvor e serviço. 

Não, essa suposta transformação da natureza nunca aconteceu na realidade, só aconteceu na tradição que com o passar do tempo foi construindo cenas até que a obra fosse concluída. Desta forma, embora sem nunca entrar em detalhes, uma lenda foi imaginada e iniciada.

Capítulo VI – A criação do diabo. Gênesis 3:1

Mas a serpente era astuta, mais do que todos os animais do campo que Jeová Deus havia feito. (Velha Rainha-Valera).

A serpente era o mais astuto de todos os animais do campo que Javé Deus havia feito. (Bíblia de Jerusalém).

A serpente, o mais astuto de todos os animais do campo que Yahweh-Deus tinha feito, (Serafim de Ausejo).

Mas a serpente, a mais astuta de todas as feras do campo, fez Yahweh Elohim (Nácar-Colunga).

A serpente era o mais astuto de todos os animais do campo que o Senhor Deus havia feito. (Martin Neto).

Certamente não há Bíblia em linguagem formal, ou seja, que não seja baseada em paráfrases, que diga o contrário do que estes aqui transcritos declaram. Todos dizem claramente entre todos os animais que Deus criou, a cobra era o ser mais astuto. Comecemos entendendo que enquanto o pecado não entrou no mundo, todos os animais, incluindo o gênero das serpentes, não causavam danos, eram mansos, inofensivos e não agressivos. Eles não matavam outros animais por comida ou atacavam para se defender, pois viviam em um mundo de paz e inocência. Estes são todos os animais aos quais a história se refere.

Agora preste atenção no que segue na história: a cobra era o mais astuto de todos os animais que Deus havia criado. Isso significa duas coisas: 1. Que esta cobra (não cobras) foi criada ao mesmo tempo que todos os outros animais. A história não separa essa cobra de todos os outros animais, mas a envolve; isto é, foi criado exatamente no mesmo instante que os outros animais; É isso que o texto diz e é isso que as versões citadas interpretam. Refutar, invalidar ou rejeitar o que Gênesis 3:1 diz é ir contra o que Deus diz. A cobra, não cobras pertencentes ao gênero das cobras, mas esta em particular, foi criada aqui na terra ao mesmo tempo que os outros animais. Qual é o tema? É semelhante ao gênero das cobras? Tem características corporais diferentes de outras cobras? Isso é interessante e está exposto aqui.

2. Diz-se que esta serpente foi dotada pelo Criador de astúcia mais do que qualquer outro animal. A palavra hebraica (עָרוּם) arum, de acordo com a Concordância de Strong, tem significados negativos e positivos. Aplicado à cobra é negativo: astuto, malicioso; no positivo: advertido, são, prudente. É óbvio que Gênesis 3:1 não está tentando dizer que a serpente era sábia, mas maliciosa. Como entender que entre todos os animais essa cobra era a mais astuta quando os outros animais eram inocentes e sem maus instintos? Todos os animais, inclusive as cobras, foram criados “arúm”, ou seja, inocentes, não agressivos, pacíficos e sem intenção de causar danos; mas esta outra serpente também foi criada arum, que é astuta e maliciosa. Como poderia Moisés, escritor de Gênesis, usar a mesma palavra com conotações opostas para se referir a duas naturezas opostas?, na realidade nunca saberemos. A frase foi certamente bem compreendida pelos leitores originais a quem a narrativa foi dada, mas hoje, mais de cinco mil anos desde que a narrativa foi feita, a forma atual de comunicar ideias mudou e, portanto, é difícil para nós combinar dois significados opostos em um, como Moisés fez corretamente. A verdade é que a cobra é arum no sentido negativo, enquanto as pombas são arum no sentido positivo. Considere Mateus 10:16 “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” A frase foi certamente bem compreendida pelos leitores originais a quem a narrativa foi dada, mas hoje, mais de cinco mil anos desde que a narrativa foi feita, a forma atual de comunicar ideias mudou e, portanto, é difícil para nós combinar dois significados opostos em um, como Moisés fez corretamente. A verdade é que a cobra é arum no sentido negativo, enquanto as pombas são arum no sentido positivo. Considere Mateus 10:16 “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” A frase foi certamente bem compreendida pelos leitores originais a quem a narrativa foi dada, mas hoje, mais de cinco mil anos desde que a narrativa foi feita, a forma atual de comunicar ideias mudou e, portanto, é difícil para nós combinar dois significados opostos em um, como Moisés fez corretamente. A verdade é que a cobra é arum no sentido negativo, enquanto as pombas são arum no sentido positivo. Considere Mateus 10:16 “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” É difícil para nós combinar dois significados opostos em um, como Moisés fez corretamente. A verdade é que a cobra é arum no sentido negativo, enquanto as pombas são arum no sentido positivo. Considere Mateus 10:16 “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” É difícil para nós combinar dois significados opostos em um, como Moisés fez corretamente. A verdade é que a cobra é arum no sentido negativo, enquanto as pombas são arum no sentido positivo. Considere Mateus 10:16 “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.”

A ideia de que o diabo se apresentou a uma cobra para enganar Eva é simplista e informal. Paulo (2 Coríntios 11:3), não diz que o diabo enganou Eva fingindo ser uma serpente, mas que a serpente enganou Eva. Para dar credibilidade às versões da Bíblia, é preciso aceitar que o diabo foi criado ao mesmo tempo que os demais animais e com um corpo semelhante ao dos ofídios.

Outros nomes de satanás

A ideia simplista de que o diabo se transformou em cobra tem sérias dificuldades, algumas das quais já comentadas nos capítulos anteriores e para cujo simplismo ninguém oferece explicações da época em que tal suposto disfarce aconteceu, ou seja, aconteceu quando quando era um lindo anjo e ainda vivia no céu, ou foi só mais tarde que Deus finalmente percebeu o golpe que estava perpetrando e o enviou para a Terra? Fabricar idéias para entrincheirar o erro só leva a evitar aceitar a verdade de Gênesis 3:1.

DRAGÃO. Apocalipse 12:9 refere-se ao diabo como “o grande dragão, a antiga serpente, que se chama Diabo e Satanás”. Em nenhum lugar nas Escrituras há qualquer base para dizer que Satanás foi um anjo de beleza singular, todo registro que se refere a ele o identifica com a forma que lhe foi dada em Gênesis 3:1. A referência a um dragão não é baseada no folclore judaico. Se fosse dito que Moisés e os Profetas se basearam nesse folclore, seria necessário aceitar que tudo que não seja da aprovação tradicional deve ser rejeitado.

A forma que Deus deu a satanás é a de uma serpente, nenhuma outra forma nos é conhecida porque nenhum escritor inspirado o diz. 

Por outro lado, ao ler os textos que a mencionam como cobra, é-lhe dada mentalmente a figura de uma cobra que nos é conhecida, mas não se sabe a exata figura que lhe foi dada. O termo dragão é usado para entender que sua figura não é apenas como a das cobras, mas também possui outras características que o tornam único.

LEVIATÃ. Isaías 27:1 diz: “ Naquele dia o Senhor castigará o Leviatã, a serpente fugitiva, com a sua espada dura, grande e forte; ao Leviatã, a serpente tortuosa, e matará o dragão do mar ”.

Leviatã é um ser mitológico? Certamente não, se fosse, as palavras de Isaías seriam uma mentira porque ele estaria dizendo que o Todo-Poderoso vai matar um ser mitológico, mas não vão. De acordo com essa afirmação, esse estranho animal existe e será punido, ou destruído, por Deus, que diz claramente que é um ser real.

Entre suas características estão duas, é escorregadio e tortuoso. Elusive refere-se à sua capacidade de se mover tão rápido que é impossível pegá-lo. Tortuoso refere-se à forma de seu corpo. As cobras são retas, mas à medida que avançam, movem-se ondulantes por todo o corpo; em vez disso, isso não é reto, mas tortuoso; tortuoso significa “ter curvas, curvas e ondulações irregulares e em diferentes direções”, isso pode ser que seu corpo, do peito, costas e cauda seja ondulado para cima e para baixo; ou que se move como cobras. Esta é outra característica do satanás ou leviatã.

No livro de Jó capítulo 41, Deus diz: 

“Você vai pegar o leviatã com um gancho ou segurando sua língua com uma corda? Você colocaria uma corda no nariz dele? Você perfuraria sua mandíbula com um gancho? Ele multiplicará orações diante de você? Ele falará com você com palavras lisonjeiras? Ele fará um pacto com você para que você o tome como escravo para sempre? Você vai brincar com ele como um pássaro? Você vai amarrá-lo para suas meninas? Os companheiros vão festejar com ele? Eles vão dividi-lo entre os comerciantes? Você vai cortar sua pele com uma faca, ou sua cabeça com um arpão de pescador? Ponha a mão nele: você vai se lembrar da luta depois e não vai fazer de novo. Quanto a ele, toda a esperança é escarnecida, porque mesmo ao vê-lo as pessoas desmaiam. E ninguém se atreve tanto a acordá-lo; quem pode ficar diante de mim? Porque quem me deu primeiro, para que eu volte? Tudo debaixo do céu é meu! Não me calarei sobre seus membros, nem sobre sua força e a graça de sua disposição. Quem levantará a tampa que o cobre? Quem se aproximará de seu peitoral duplo? Quem abrirá a porta de suas mandíbulas? As fileiras de seus dentes são terror! Suas costas são cobertas com fortes escudos, bem soldados.

Um se junta ao outro para que o vento não passe entre eles. Unidos eles estão uns com os outros, entrelaçados entre si, não podem ser separados. Quando espirra, dispara relâmpagos; seus olhos são como as pálpebras da aurora. Chamas saem de sua boca; faíscas de fogo brotam dele. A fumaça sai de suas narinas, como de uma panela ou caldeirão fervendo. Sua respiração acende as brasas; Chamas saem de sua boca, sua força está em seu pescoço e o desânimo se espalha diante dele. Até as partes mais tenras de sua carne estão endurecidas, estão firmes nele, não se movem. Seu coração é firme como uma pedra, forte como uma mó. Quando ela sobe, os fortes ficam com medo e recuam por causa do desmaio. Mesmo que a espada o alcance, não o perfurará; nem a lança, o dardo ou o dardo. Para o, o ferro é como a palha e o bronze como a madeira podre. A flecha não o faz fugir e as pedras do estilingue são como palha para ele. Cada arma é como restolho para ele, e ele zomba do assobio do dardo.

Por baixo tem escamas pontiagudas que deixam a sua marca na lama. Ele faz as águas profundas ferverem como um pote e as faz como um pote de unguento. Atrás dele brilha seu rastro, até que o abismo parece cinza. Não há ninguém na terra como ele;
é um animal feito destemido. Ele despreza toda arrogância e é rei sobre todos os outros animais.”

Os comentários assumem livremente que este capítulo 41 de Jó é uma referência ao crocodilo e até ao hipopótamo, outros supõem que é uma narração poética, mas… O crocodilo é realmente tudo isso que nosso Deus, seu criador, diz do leviatã ? Será que Deus está mencionando um animal mitológico que não existe? ou é este leviatã ou serpente ou dragão o animal que falou com Eva? Se Deus é quem o menciona, não há dúvida de que ele realmente existe, não importa o que a imaginação considere impossível. Este animal é a serpente que falou com Eva, é o dragão mencionado em Apocalipse e o leviatã mencionado pelo profeta Isaías.

Fonte: iglesiadedios.org

Categories
NEWSSatanás
No Comment

Deixe um comentário:

*

*

RELACIONADOS:

Translate »