Contra-trinitarianismo

Este estudo desconstrói as três bases da trindade: Deus é composto, Jesus é Deus, e o Espírito Santo é uma pessoa...

A trindade, como mencionamos anteriormente, está fundamentada sobre três propostas. É como uma mesa montada sobre três pernas. Se uma das pernas for removida a mesa inteira cairá.

As três propostas sobre as quais a trindade está estruturada são: 1) A unidade composta de Deus. 2) A divindade do Pai, do Filho e do Espírito. 3) A personalidade do Pai, do Filho e do Espírito. A incapacidade de se provar qualquer uma dessas três propostas causará o colapso dessa falsa teoria.

Para refutar a trindade, portanto, é preciso estabelecer apenas um dos três fatos verdadeiros a seguir: 1) A unidade de Deus não é composta. 2) Jesus não é Deus. 3) O Espírito não é uma pessoa. Nas três subdivisões deste capítulo, planejamos considerar esses três fatos.

  1. A Unidade de Deus Não é Composta

Só existe uma pessoa que é Deus. Ele é a origem e o governante do universo. Ele é o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo. A unidade de Deus é simples, não é composta.

1. Um Deus Significa Uma Pessoa. Deus é único. Ele é um indivíduo singular, uma unidade só, um único Ser. Indicamos ao leitor o capítulo sobre a Unidade de Deus (Capítulo IX) para conferir uma lista de escrituras ensinando a verdade de que Deus é único.

Jesus se referiu a Seu Pai como “o único Deus verdadeiro” (João 17:3). Moisés declarou: “Ouve, ó Israel: O Senhor nosso Deus é um único Senhor” (Deuteronômio 6:4). Paulo escreveu: “Para nós há um só Deus, o Pai” (I Coríntios 8:6).

Existe apenas um Deus (do grego heis e do hebraico echad). Deus é só, separado, solitário. Ele é o único Deus (do grego monos e do hebraico bad). Todos os demais estão excluídos. Não há ninguém mais. Ele é uma pessoa única. Além d’Ele não há nenhum outro. Todas essas palavras denotam unidade simples. A respeito da palavra echad (único, um) R. H. Judd escreveu:

“Esta palavra hebraica echad ocorre aproximadamente quinhentas vezes no Antigo Testamento, e não existe um único exemplo sequer onde a palavra, em qualquer sentido, perca seu valor numérico; nem pode ser negado que esta é a base sobre a qual todos os outros numerais têm seu valor.

É verdade que temos palavras como ‘nação’, ‘grupo’, ‘assembleia’, mas quando falamos de “uma nação”, comparando duas ou mais nações, absolutamente não há alteração do valor numérico do numeral.” (Judd, R. H. “One God: The God of The Ages”. Oregon, Illinois: National Bible Institution, 1949, pp. 28, 30)

 Sobre a questão da unidade simples de Deus, citamos o seguinte trecho do famoso Catecismo Racoviano:

“Prova-me que na única essência de Deus há somente uma Pessoa. De princípio já podemos notar que a essência de Deus é única, não na forma, mas em número. Pelo que não pode de modo algum conter uma pluralidade de pessoas, já que uma pessoa nada mais é do que uma essência inteligente individual. Portanto, onde quer que existam três pessoas numéricas, devem ser reconhecidas da mesma maneira, três essências individuais; no mesmo sentido, quando é afirmado que há uma essência numérica, também deve ser mantido que há apenas uma pessoa numérica” (The Racovian Cathecism, Seção III, cap. 1).

  1. Pronomes Pessoais Singulares.O fato de se utilizar pronomes pessoais singulares em referência a Deus é um excelente testemunho da unidade simples de Deus.

“Na contagem, são centenas, de fato são milhares, os pronomes da Bíblia em relação a Deus que permanecem como luzes de um farol em cada página do Gênesis ao Apocalipse, nos revelando a singularidade pessoal, literal e individual de Deus com uma clareza tal que nenhum trinitariano, ou qualquer outro argumento, é capaz de negar com sucesso. “Eu”, “Mim”, “Meu”; “Ele”, “Dele”, “Ele mesmo”, “Tu”, “Ti”, “Teu”, jamais foram e nunca serão corretamente aplicados a mais do que uma personalidade individual. Tais palavras carregam uma dignidade e uma certeza que não pode ser expressa nem por um nome ou qualquer outro método” (Judd, R. H. Op. cit. p. 32).

  1. Esta Única Pessoa é o Pai.O testemunho da Bíblia é que existe uma única pessoa que é Deus. Então, quem é esta pessoa? Ele é o Pai. Numerosos textos bíblicos identificam o único Deus como o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Algumas destas muitas Escrituras são as seguintes:

João 17:3                               A ti só por único Deus verdadeiro

Romanos 15:6                      Glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo

I Coríntios 8:6                       Para nós há um só Deus, o Pai

I Coríntios 15:24                  A Deus, ao Pai

II Coríntios 1:3                     O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo

Efésios 1:17                           O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo

Efésios 4:6                              Um só Deus e Pai de todos

 I Tessalonicenses 3:13       Nosso Deus e Pai

II Tessalonicenses 2:16       Nosso Deus e Pai

Tiago 3:9                                  A Deus e Pai

II João 3                                    De parte de Deus Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai

A unidade de Deus não é composta. Um Deus significa uma pessoa. Esta única pessoa é o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.

  1. Jesus Não é Deus
  2. Somente Uma Pessoa é Deus.Jesus não é Deus porque há somente uma pessoa que é Deus. Esta pessoa única tem sido identificada como o Pai. Jesus, portanto, não pode também ser Deus. Não há outra pessoa que possa ser Deus no mesmo sentido em que o Pai é Deus. “Para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo, e para quem nós vivemos” (I Coríntios 8:6). “Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos, e em todos” (Efésios 4:6). Jesus é divino, mas não divindade. Ele é o divino Filho de Deus, mas Ele não é a divindade, o Ser Supremo.
  3. Jesus Como Mediador Não Pode Ser o Próprio Deus.“Porque há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem” (I Timóteo 2:5). Jesus é Mediador entre Deus e os homens. Jesus, portanto, não é o próprio Deus. Se Jesus fosse o próprio Deus e igual a Deus, como declaram os trinitarianos, Ele não estaria numa posição para servir como mediador. Servindo como mediador, alguém precisa ser uma terceira parte. Se Jesus fosse Deus ou igual a Deus, Ele seria uma das duas partes e não serviria como Mediador entre os dois – Deus e o homem (Gálatas 3:20). O fato de que Jesus é um Mediador anula a possibilidade de que Ele seja parte de uma trindade.

Jesus insistiu que Ele e Seu Pai não são idênticos. Ele e Seu Pai são separados em personalidade, essência e existência. Ele declarou que Ele e Seu Pai constituem duas testemunhas separadas: “E na vossa Lei está também escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro. Eu sou o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai que me enviou” (João 8:17,18)

3. Jesus é o Filho de Deus. Jesus em Si mesmo não é o próprio Deus, nem parte de um Deus triúno, porque Ele é o Filho de Deus. Ele não pode ser Deus e também o Filho de Deus ao mesmo tempo. O Pai e o Filho não são nem iguais, nem idênticos. O Pai vivia antes do Filho. O Filho recebeu Sua vida do Pai. O Pai é maior do que o Filho. Jesus foi gerado de Seu Pai e nascido de Maria. Ele é o Filho do Deus vivo. O Novo Testamento está repleto de textos afirmando que Jesus é o Filho de Deus.

  1. Deus é o Deus de Jesus.Jesus reconheceu o Pai, o único Deus verdadeiro, como seu Deus. Jesus jamais reivindicou ser Ele o próprio Deus. Ele não pretendia ser igual a Deus. Ele sempre se referiu ao Pai como sendo superior a Ele, Seu Deus. Nos textos a seguir, Jesus faz referência ao Pai como Seu Deus, ou Deus é descrito como o Deus de Jesus.

João 20:17                            Meu Deus e vosso Deus

Apocalipse 3:12                  Meu Deus, meu Deus, meu Deus, meu Deus

Mateus 27:46                       Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste

Marcos 15:34                       Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste

Salmos 22:1                          Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste

II Coríntios 11:31               O Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo

Efésios 1:3                            O Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo

Efésios 1:17                         O Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo

I Pedro 1:3                           O Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo

Hebreus 1:8,9                      Por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo

Salmos 45:6,7                      Por isso Deus, o teu Deus, te ungiu

Apocalipse 1:6                    Para Deus, seu Pai (BJ)

II Coríntios 1:3                    Bendito seja o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo (BJ)

  1. Jesus Orou Para Seu Deus, o Pai.Jesus revelou que Ele próprio não era Deus quando orou a Seu Pai como Deus. Se Jesus fosse igual a Deus, por que então Ele orou a Deus? Os trinitarianos afirmam que Deus, Jesus e o Espírito têm todos uma mesma inteligência e uma só vontade. Se Jesus e Deus compartilhassem uma única vontade, ou poder de decisão, teria aparência de zombaria ver uma pessoa de uma trindade orar a uma outra pessoa de uma trindade. Pelo fato de ter orado a Deus, Jesus mostrou ser inferior a Seu Pai e que somente Seu Pai é Deus.

Hebreus 5:7-8          Fez orações e súplicas a Deus (NTLH)

Lucas 6:12                Passou a noite em oração a Deus

Mateus 11:25           Ó Pai, Senhor do céu e da terra

João 17:1                   Pai, é chegada a hora

Mateus 26:38,42     Meu Pai, se é possível

  1. Jesus é Inferior a Deus.Jesus ocupa a mais alta e exaltada posição no universo junto a Deus. Jesus não é igual a Seu Pai. Deus é maior do que Seu Filho; o Filho é inferior ao Seu Pai. Jesus, portanto, não é Deus. Reconhecer esse fato não quer dizer que não estejamos dando a glória devida a Cristo; é simplesmente o reconhecimento da verdadeira relação entre o Pai e Seu Filho.

Jesus declarou: “O Pai é maior do que eu” (João 14:28). Quando Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (João 10:30), Ele não ensinou que Ele e Seu Pai eram um em essência ou existência (como os trinitarianos afirmam) ou uma única pessoa (como os Sabelianos ensinam). Ele se referiu à unidade de propósito e perfeita concordância que existe entre Ele mesmo e Seu Pai. Jesus orou para que essa mesma unidade fosse uma realidade entre Seus seguidores (João 17:11, 21-23). Jesus sempre reconheceu que Seu Pai é maior do que Ele. Isso mostra claramente o fato de que Jesus não pode ser parte de um Deus triúno.

João 14:28                            O Pai é maior do que eu

João 10:29                            Meu Pai… é maior do que todos

I Coríntios 11:3                   Deus, a cabeça de Cristo

I Coríntios 3:23                   Cristo é de Deus

Mateus 20:23                       Não me pertence dá-lo (…), mas a meu Pai

I Coríntios 15:24-28          Quando tiver entregado o Reino a Deus, ao Pai

Depois que Cristo completar o Seu governo redentor e Deus tenha colocado todos os inimigos debaixo de Seus pés, Jesus continuará a ser sujeito a Deus. Deus será supremo. Ele será tudo em todos. “Porque todas as coisas sujeitou debaixo de Seus pés. Mas quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. E quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, também o Filho mesmo se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (I Coríntios 15:24-28).

Jesus viveu como Servo de Deus. Ele rendeu perfeita obediência a Seu Pai. Ele sempre fez aquilo que agradava a Deus. Isso mostra que Ele reconhecia a Si mesmo como sendo inferior a Deus.

Zacarias 3:8              Meu servo, o Renovo

Mateus 12:18           Eis aqui o meu servo

Filipenses 2:7-8        A forma de servo

Hebreus 10:7,9        Venho para fazer a Tua vontade

João 4:34                   Fazer a vontade daqu’Ele que me enviou

João 5:30                   Busco a vontade do Pai que me enviou

João 6:38                   Não para fazer a minha vontade

João 8:29                   Eu faço sempre o que lhe agrada

Lucas 22:42              Não se faça a minha vontade, mas a tua

Romanos 5:19          Pela obediência de um

  1. Jesus é Inferior a Deus em Atributos.O Novo Testamento revela Jesus Cristo como inferior a Deus em atributos. Essa é uma indicação definitiva de que Jesus em si mesmo não é Deus. Ele não é igual nem idêntico a Deus. Ele não é parte de um Deus triúno.

Deus é infinito e perfeito em todos os Seus atributos. Em todas essas coisas, Deus é imutável. Sua perfeição infinita não pode aumentar, nem diminuir. O que Ele tem sido, Ele sempre será. Jesus demonstrou ser Ele mesmo inferior a Deus em Seus atributos.

Inferior em conhecimento. Deus é onisciente. Ele é perfeito em conhecimento. “Conhecidas de Deus são todas as Suas obras desde o começo do mundo.” Seu conhecimento é infinito, eterno e completo. Jesus, por outro lado, não era onisciente. Jesus “crescia em sabedoria” (Lucas 2:52). Se Jesus era Deus com conhecimento infinito, como Ele poderia ter “crescido em sabedoria”?

O conhecimento de Deus não é derivado nem adquirido. Seu conhecimento é originário de Si mesmo. “Que conselheiro o ensinou?” (Isaías 40:13, 14). Por outro lado, Jesus recebeu Seu conhecimento de Deus (João 8:28).

O conhecimento de Deus inclui todas as coisas presentes, passadas e futuras. Ele conhece todas as coisas. Jesus, por outro lado, era limitado em conhecimento com relação à data de Sua volta (Marcos 13:32). Jesus não é Deus.

Lucas 2:52                Jesus crescia em sabedoria

João 5:19                   O que Ele vê o Pai fazer

João 8:28                   Como o Pai me ensinou

Marcos 13:32           Não sabe a data de Sua volta

Atos 1:7                     Na autoridade do Pai

Inferior em Poder. Deus é onipotente. Ele é Todo-Poderoso. Ele tem poder infinito. “Mas a Deus tudo é possível.” O poder de Deus origina-se nEle mesmo. Com seu poder Deus realiza todas as Suas obras. Jesus por outro lado, não era onipotente. O poder que Cristo exercia quando operava milagres era proveniente de Deus. Ele disse: “O Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma” (João 5:19). O poder que Cristo usa para realizar Sua obra na Igreja de hoje, e que Ele usará para governar a terra em Seu futuro reino, foi recebido de Deus. O poder de Deus tem origem em Si mesmo; Jesus recebeu poder de Deus. Jesus não é Deus.

João 5:19       O Filho por Si mesmo não pode fazer coisa alguma

João 5:30       Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma

João 8:28       Nada faço por mim mesmo

João 14:10     O Pai é quem faz as obras

Menor em Vida. Deus sempre existiu. Nunca houve um tempo no qual Deus não existisse. Deus não somente viverá para sempre no futuro, como também viveu eternamente no passado. A vida de Deus não teve um começo. A vida de Cristo, por outro lado, teve um começo definido. Houve um tempo em que Jesus não existia. Jesus viverá por toda eternidade no futuro, mas não viveu por toda a eternidade no passado. Jesus é inferior a Deus com relação à idade e à extensão da vida passada.

Deus é a fonte de toda a vida. Sua existência não é derivada de ninguém. Ele possui vida em Si mesmo. Jesus, por outro lado, recebeu vida de Deus. Se não fosse Deus, Jesus jamais teria existido. Jesus foi gerado do Pai. Sua vida foi derivada de Deus. O poder de Deus foi a causa de Maria conceber e dar à luz um filho. Se não fosse pelo santo poder de Deus, Jesus jamais teria nascido. “Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a Sua sombra; pelo que também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus” (Lucas 1:35). Jesus disse: “O Pai que vive me enviou, e Eu vivo pelo Pai” (João 6:57).

Jesus também recebeu vida ressurreta do Pai. Deus levantou Jesus dos mortos através de Seu poder, o Espírito (Atos 10:40; 13:30; Romanos 10:9). Jesus voluntariamente entregou Sua vida como um sacrifício. Ele tinha autoridade para entregar Sua vida e para recebê-la de volta (João 10:17,18). Jesus não ressurgiu dos mortos por Si mesmo. Ele foi levantado da morte através do poder de Deus. Deus é a fonte de toda a vida; Jesus recebeu a vida de Deus, portanto, Jesus não é Deus.

Deus Não Pode Morrer. Deus é imortal. Ele não está sujeito à morte. Deus sempre foi imortal e sempre será imortal. Morrer é impossível para Deus. Jesus, por outro lado, nasceu mortal. Ele morreu. Jesus tinha as características de um homem mortal. Ele experimentou a fome (Mateus 4:2), sede (João 19:28), cansaço (João 4:6), tentação (Mateus 4:1) e sofrimento (Lucas 24:46). Jesus morreu (João 19:33; I Coríntios 15:3). Deus não pode morrer; Jesus morreu. Jesus não é Deus.

Jesus tornou-se imortal quando Deus o levantou da sepultura. Jesus recebeu a imortalidade de Deus. Jesus não pode morrer novamente (Romanos 6:9). Quando Jesus voltar, todos os verdadeiros crentes se tornarão imortais como Ele (I Coríntios 15:52,53; Filipenses 3:20,21).

  1. Atributos Divinos e Posições Recebidas de Deus.Alguns acreditam que Jesus deve ser Deus e parte de uma trindade porque Ele exerce certa autoridade divina e revela certos atributos divinos. Exaltado à mão direita de Deus, Jesus recebeu autoridade divina e poder de Deus. Isso, entretanto, não prova que Jesus é igual a Deus, Deus em Si mesmo, nem uma parte de Deus.

O fato de Jesus ter sido exaltado pelo Pai mostra que o Pai é maior que Jesus. O fato de Jesus receber posição e obras divinas mostra que Jesus é inferior a Deus. Hoje, Jesus tem sido exaltado a mais alta posição no universo, abaixo apenas do próprio Deus.

Autoridade Recebida de Deus. Jesus disse: “Todo o poder (autoridade) me é dado no céu e na terra” (Mateus 28:18). Jesus sempre entendeu que Seu Pai era superior a Ele em autoridade. Ele viveu em perfeita obediência a Deus. Após a Sua ressurreição, Jesus recebeu autoridade divina de Deus. A autoridade de Deus não é derivada de ninguém; é originária do próprio Deus. Deus é maior do que Jesus; Jesus é inferior a Deus; Jesus não é Deus.

Reinado recebido de Deus. Jesus é chamado de Rei dos Reis. Deus sempre foi o Rei do universo. Jesus recebeu Sua autoridade real de Deus. A base do reinado de Cristo é o fato de que Ele é o Filho de Davi (Lucas 1:31-33) e também o Filho de Deus (Salmos 2:6-9 e Daniel 7:14). Jesus não se tornou Filho de Davi e Filho de Deus até que tivesse nascido de Maria.

Obra de Julgamento. Deus autorizou Jesus a ser Juiz da humanidade. Deus entregou o julgamento ao Seu Filho. Deus julgará a humanidade através da obra de Cristo, o Juiz. Jesus recebeu essa posição e função de Deus (João 5:22,27; Atos 10:42; 17:31). O fato de que Jesus recebeu essa prerrogativa do Pai, demonstra que o Pai é superior a Ele. Jesus não é Deus.

Sua Presença Invisível. Embora Jesus esteja nos céus, Ele pode estar presente em todos os lugares com Seus seguidores. Ele disse: “Eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (Mateus 28:20). Jesus pode fazer isso através do poder de Deus, o Espírito. Jesus recebeu esse poder de Deus. (João 15:26; Atos 2:33). Durante Seu ministério terrestre Jesus pôde curar o servo do centurião (Mateus 8:5-13) mesmo que o servo doente estivesse a uma grande distância. Ele também tinha a habilidade de conhecer o que havia no coração do homem. Jesus podia fazer essas coisas não porque Ele é parte de um Deus triúno, mas porque Deus O revestiu de poder para executar tais obras.

  1. Quatro Argumentos TrinitarianosConsiderados.Os trinitarianos contestam a verdade de que Jesus não é Deus. Os quatro argumentos mais importantes que utilizam para ensinar que Jesus é o próprio Deus são: 1) Atributos divinos são atribuídos a Cristo; 2) Prerrogativas divinas são atribuídas a Cristo; 3) Certas escrituras atestam que Jesus era a imagem ou plenitude de Deus; 4) Jesus recebe o título de “Deus” em certas Escrituras.

Já consideramos o primeiro argumento e observamos que Jesus era inferior a Deus nos atributos de conhecimento, poder e vida durante Seu ministério terrestre. Ele era dependente de Deus em todas as coisas. Em lugar de provar que Jesus é Deus, seus atributos provam que Ele não é Deus.

O segundo argumento também já foi considerado. O fato de que Jesus exerceu ou irá exercer certa autoridade divina e executar funções divinas (Rei, Juiz, etc.) não indica que Jesus é Deus. Ao contrário, notamos que Jesus recebeu todas essas posições e funções de Deus, mostrando que Ele é inferior a Deus.

O terceiro argumento usado pelos trinitarianos contra a verdade de que Jesus não é Deus é o fato de que algumas Escrituras atestam que Jesus é a imagem de Deus. Estas Escrituras são as seguintes:

Filipenses 2:6            Sendo em forma de Deus

Colossenses 1:19      Toda a plenitude n´Ele habitasse

Colossenses 2:9        Porque n’Ele habita toda a plenitude da divindade

Colossenses 1:15      O qual é imagem do Deus invisível

2 Coríntios 4:4          Cristo, que é a imagem de Deus

Hebreus 1:3               A expressa imagem da sua pessoa

João 12:45                  Quem me vê a mim vê aquele que me enviou

João 14:9                     Quem me vê a mim vê o Pai

Essas Escrituras não ensinam que Jesus é Deus. Não indicam também que Jesus é parte de uma trindade. A palavra “imagem” significa semelhança ou caráter impresso. Jesus era a semelhança moral de Deus. Seu caráter refletia os atributos morais de Deus – santidade, amor e verdade. O homem poderia conhecer como é o caráter ou imagem de Deus olhando para a bela vida de Cristo. Sua vida revelou santidade, retidão, justiça, amor, compaixão, misericórdia, verdade, autenticidade e fidelidade. Jesus era divino. Ele era semelhante a Deus em caráter e conduta. Jesus não era Deus em Si mesmo; Ele refletia o caráter de Deus em Sua vida perfeita.

O quarto argumento usado pelos trinitarianos é que algumas poucas Escrituras chamam Jesus pelo título de “Deus”. As três principais são: João 20:28; Tito 2:13; Hebreus 1:8.

Esse argumento é respondido pelo fato de que a palavra “Deus” (do hebraico ’elohim’ e do grego ’theos’) às vezes é aplicada aos homens e anjos na Bíblia. Quando usada no sentido secundário, a palavra ”Deus” indica alguém que é representante daquele que é O verdadeiro e supremo Deus.

O termo Deus é empregado nas Escrituras principalmente em dois sentidos. O primeiro desses é quando designa Aquele que governa e preside sobre todas as coisas no céu e na terra, e desconhece alguém superior… Neste sentido, as Escrituras afirmam que Deus é um. O último sentido é quando designa um ser que recebeu desse único Deus algum tipo de autoridade superior no céu ou na terra sobre os homens, ou poder superior com relação a todas as coisas humanas, ou autoridade para impor julgamento sobre outros homens, sendo dessa maneira e nesse sentido considerado como um participante da Divindade do único Deus (The Recovian Cathecism. Seção 3 cap. I).

Moisés foi designado como Deus em relação a Aarão (Êxodo 4:16) e a Faraó (Êxodo7:1). Moisés foi chamado Deus (elohim), mas ele não era o único Deus supremo e nem parte de uma trindade. Moisés foi um representante de Deus. Juízes humanos, representantes do único Deus verdadeiro, foram designados como Deus. Em Êxodo 22:28, a palavra “deuses” refere-se aos juízes humanos. (Nota do tradutor: neste versículo a palavra elohim já é traduzida como juízes na Bíblia em português, mas a Bíblia tradicional em inglês – King James Version – usa o termo deuses). Em Êxodo 21:6; 22:8,9; e em I Samuel 2:25, a palavra “juízes” é traduzida do hebraico elohim ou Deus. Salmos 97:7 é citado em Hebreus 1:6. Os “anjos” de Hebreus 1 são os “deuses” do Salmos 97. Os anjos são representantes de Deus, mas não são O próprio Deus.

Os Israelitas foram chamados “deuses” no Salmos 82:6,7. Jesus citou o versículo para mostrar esse fato. “Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses? Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada), àquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus?” (João 10:34-36).

O fato de que a palavra “Deus” é usada no sentido secundário, como um representante de Deus em Hebreus 1:8, é mostrado no versículo seguinte. Em Hebreus 1:9 o único e supremo Deus verdadeiro é descrito como sendo o Deus do Filho! “Tu amas a justiça e aborreces a impiedade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros” (Hebreus 1:8,9 é uma citação de Salmos 45:6,7).

Jesus não é o próprio Deus. Ele não é parte de uma trindade. Jesus é o Filho de Deus.

III. O Espírito Não É Uma Pessoa

O Espírito Santo não é uma pessoa distinta do Pai e do Filho. O Espírito Santo é impessoal. Não é parte de uma trindade. É a energia divina com a qual Deus realiza Suas obras.

  1. O Espírito é o Poder de Deus.O Espírito não é uma pessoa distinta do Pai e do Filho porque é o poder de Deus. O Espírito Santo é o poder impessoal de Deus. Cada obra que Deus faz é executada através de Seu poder ou Espírito.

Espírito é traduzido das palavras hebraicas ruach e neshamah e da palavra grega pneumaPneuma é nas escrituras gregas o que ruach é no hebraico. Espírito significa ar, fôlego, sopro, poder, animação e a manifestação do poder de alguém. O Espírito de Deus é o poder de Deus.

  1. A Palavra “Espírito” É Neutra.O Espírito não é uma personalidade porque a palavra gregapneuma, traduzido como Espírito, é neutra em gênero. Artigos e pronomes referentes a essa palavra também são neutros.
  2. Símbolos Impessoais.O poder impessoal de Deus, o Espírito Santo, é designado na Bíblia por símbolos impessoais. Alguns desses são: vento (João 3:8; Atos 2:2), fogo (Mateus 3:11), água (João 7:37-39), óleo (Salmos 45:7; Isaías. 61:1), selo (Efésios 1:13), pomba (Mateus 3:16), lâmpadas (Apocalipse 4:5) e sopro.
  3. Características Impessoais.As características impessoais do Espírito o revelam como o poder de Deus e não como uma personalidade. O Espírito é mencionado como sendo derramado (Isaías 32:15; 44:3; Joel 2:28; Atos 2:17; 10:45), vertido (Tito 3:5,6), soprado (João 20:22) e enchendo pessoas (Atos 2:2-4; Efésios 5:18). Jesus foi ungido com este poder (Atos 10:38). Homens foram batizados nele (Mateus 3:11; Atos 1:5; I Coríntios 12:13) e beberam dele (I Coríntios 12:13). É comparado ao vento que sopra (João 3:8). O Espírito Santo é impessoal.
  4. Sem Um Nome Pessoal.O Espírito mostrasse impessoal pelo fato de não possuir um nome pessoal. Deus é uma pessoa: Seu nome é Jeová. Nosso Salvador é uma pessoa: Seu nome é Jesus. O Espírito não é uma pessoa, não tem nome pessoal. Se o Espírito é uma pessoa, porque ele não tem um nome pessoal? A palavra “nome” de Mateus 28:19 não se refere a um nome pessoal. A palavra “nome” nesse verso significa “autoridade” ou “como um representante de”. O Espírito Santo não é uma personalidade.
  5. Nenhuma Prece Lhe é Dirigida.“O Espírito Santo não é uma pessoa, porque em toda a Bíblia não há sequer uma oração ou canção ou exclamação endereçada a ele; nem existe um único preceito em toda a Bíblia autorizando tal oração ou hino” (Gifford. Op. cit. p. 172). Miles Grant escreveu:

Outro fato importante que é digno de nota é que em nenhum lugar nas Escrituras somos ensinados a amar, honrar ou adorar o Espírito Santo, ou orar por sua assistência. Por que não, se é uma pessoa, como o Pai e o Filho? (Grant, Miles. “Positive Theology” – Boston: Advent Christian Publications Society, p. 287).

O Espírito não é mencionado nos hinos de adoração no Apocalipse (Apocalipse 5:13; 7:10). Se o Espírito é uma terceira pessoa de uma trindade, por que é omitida a referência a ele?

  1. Não Incluído Nas Saudações Apostólicas.O poder de Deus, o Espírito, geralmente não é mencionado juntamente com Deus e Jesus nos cumprimentos e saudações Apostólicas nas Epístolas do Novo Testamento. O Espírito não é mencionado em nenhuma das saudações das Epístolas de Paulo (Romanos 1:7; I Coríntios 1:3; II Coríntios 1:2; Gálatas 1:3; Efésios 1:2; Filipenses 1:2; Colossenses 1:2; I Tessalonicenses 1:1; II Tessalonicenses 1:2; I Timóteo 1:2; II Timóteo 1:2; Tito 1:4; Filemom 3). Deus e Jesus são mencionados juntos repetidamente, mas raramente o Espírito é mencionado com eles.

Note também as palavras de abertura das epístolas escritas pelos outros escritores (Tiago 1:1; II Pedro 1:2; I João 1:3; II João 3; Judas 1). Todos esses mencionam Deus e Jesus, mas não o Espírito. O Espírito é mencionado em I Pedro 1:2, mas não como pessoa. Alguém notará ainda que o Espírito não é incluído na maioria das doxologias e bênçãos. Uma passagem na qual o Espírito é mencionado (II Coríntios 13:13) já foi considerada.

A questão se repete: Por que não há “graça” solicitada ao Espírito Santo de Deus se ele é uma pessoa? Caso houvesse uma junta de três pessoas, e somente houvesse menção de duas delas em todos os relatórios, não teria a terceira ocasião para se sentir por demais desprezada? Se Paulo soubesse de uma “terceira pessoa” de quem a graça deveria ser recebida, por que ele não solicitou isso a seu favor, em conexão com o Pai e Seu Filho? (Ibid. p. 288).

  1. Não Mencionado Como Entronizado ou Reinando.A Bíblia apresenta Deus, o Pai, sentado sobre Seu Trono, e Jesus de pé ou assentado à Sua mão direita. O Pai e o Filho são juntamente associados ao julgamento e à redenção. O reino vindouro é o reino de Deus e de Seu Cristo. Não há menção alguma do Espírito como sendo uma pessoa ou alguém assentado sobre um trono.
  2. Não se Relaciona Com o Pai como Uma Pessoa Para Outra.A relação do Espírito com o Pai não é aquela de uma pessoa para outra. A relação do Espírito com o Pai é aquela de um poder para uma pessoa. O Espírito é o poder de Deus. O poder de Deus não é uma pessoa distinta de Si mesmo, nada vai além do que é o amor e a sabedoria de Deus. O Pai e o Filho são pessoas, mas o Espírito não é uma pessoa.

O Pai diz “Tu” ao Filho, e o Filho diz “Tu” ao Pai, mas nenhum deles diz “Tu” ao Espírito. O Pai ama o Filho, e o Filho ama o Pai, mas nenhum deles é mencionado amando o Espírito.

O Espírito nunca foi denominado de “o terceiro” ou “a terceira pessoa” em qualquer circunstância. Além do mais, o Pai nunca é chamado de “a primeira pessoa” e o Filho nunca é chamado de “a segunda pessoa”.

  1. Objeções Consideradas.Os trinitarianos afirmam, baseados em Atos 5:3,4 e II Coríntios 3:17, que o Espírito é Deus. Eles insistem que, desde que o Espírito está diretamente identificado com Deus, o Espírito deve ser Deus e uma personalidade distinta. Não há nada nesses dois versos para justificar tal afirmação. Meramente porque a Bíblia afirma que “Deus é amor” (I João 4:8, 16), ninguém está autorizado a dizer que o amor é uma personalidade distinta do Pai e um membro de uma trindade.

O Espírito é o poder de Deus. A obra do Espírito é a obra de Deus e Seu Filho. Quando alguém está cheio do Espírito, ele está cheio do poder de Deus e Cristo. O fruto do Espírito é o resultado da obra de Cristo na vida do crente através de Seu poder.

Quando a Bíblia descreve o Espírito como falando (Apocalipse 2:7), está fazendo referência à obra de Deus falando através de Seu poder. Quando o Espírito é descrito como fazendo intercessão (Romanos 8:26,27), refere-se à intercessão que Cristo, nosso Sumo Sacerdote, faz por nós através de Seu poder (Romanos 8:34; Hebreus 7:25). Jesus é o nosso único intercessor. Ele é o nosso único mediador. Quando Ananias mentiu ao Espírito Santo, ele mentiu para o Deus que operava através desse santo poder. Quando os homens “entristecem” o Santo Espírito de Deus (Efésios 4:30), eles entristecem o próprio Deus que opera através de Seu Santo Espírito.

O Espírito é descrito como eterno e santo porque Deus é eterno e santo. Quando o Espírito, o poder de Deus, é representado como tendo certas características e desempenhando certas funções, a referência é feita ao único Deus eterno que tem essas características e faz essas obras.

  1. Os Pronomes Masculinos em Grego Não Provam Personalidade.Nosso Senhor prometeu aos Seus discípulos que após a Sua assunção aos céus Ele lhes enviaria o poder de Deus, o Espírito Santo. Através desse poder, Jesus continuaria Sua obra com e nos Seus discípulos.

Esse poder foi chamado de Consolador, Paráclito, Advogado ou Auxiliador, porque Jesus pretendia trabalhar através desse poder em favor dos crentes. O próprio Jesus era quem seria Advogado ou Paráclito (I João 2:1). Foi Ele que prometeu estar sempre com os discípulos (Mateus 28:20) e ser a sua fonte de conforto e auxílio. Jesus disse: “Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós” (João 14:18). A obra do Espírito de Cristo como Consolador, Advogado e Auxiliador não é nada mais do que a obra do próprio Cristo como Consolador, Advogado e Auxiliador através daquele poder divino.

A palavra grega para Consolador Parakletos é masculina em gênero (João 14:16, 17, 26; 15:26; 16:7,8, 13-15). Então os tradutores utilizaram pronomes masculinos para se referirem ao poder de Deus nesta porção de João, muito embora aquele poder em si mesmo fosse neutro e impessoal. O poder impessoal de Deus foi indicado por uma palavra masculina “Consolador” porque ia ser usado pela pessoa, Jesus Cristo. Jesus é uma pessoa, mas o poder, o Espírito Santo, através do qual Ele opera com Consolador, era impessoal. O uso de pronomes masculinos nos versos citados não são indicações de personalidade.

“Espírito em grego é um substantivo neutro e é sempre representado por pronomes neutros naquele idioma. O Consolador em grego é um substantivo masculino e por isso é representado por pronomes masculinos. Mas isso não prova nada a respeito da personalidade, porque o uso de pronomes masculinos no grego não é prova de personalidade. O grego, diferentemente do inglês, usa pronomes masculinos e femininos com referência a coisas e qualidades, do mesmo modo que se aplica às pessoas. Em grego, um campo é masculino, uma cidade é feminino, dor é feminino, vinho é feminino, mas vinha é masculino, vento é masculino, prata é masculino, mas uma moeda de prata é neutro, um número é masculino, um escudo é feminino, etc., etc., através de todo o léxico de substantivos gregos. O fato de que um objeto seja masculino ou feminino em grego não é prova em absoluto de personalidade. Um substantivo neutro, entretanto, nunca é usado em grego para denotar uma pessoa, exceto no caso de um diminutivo, como uma criança, uma pessoa demente, ou uma pessoa considerada não como uma pessoa, mas sim, como um objeto. Portanto, desde que o Espírito é sempre neutro em grego não pode ser uma pessoa, e jamais pode-se fazer referência ao Espírito como sendo ele, lhe, seu, quem, a quem; e sim, isto, que, o qual (Gifford, Op. cit. 170-172).

A sabedoria em Provérbios é personificada e referida como sendo ela. Isso, no entanto, não indica que a sabedoria seja uma mulher ou uma pessoa. Não significa que ela seja parte de um Deus triúno. O fato de que o Consolador é chamado “ele” e “dele” não indica que seja uma personalidade.

Várias versões e traduções do Novo Testamento usam pronomes neutros em vez de masculinos em João 14:16,17,26. Entre essas versões estão: Edgar J. Goodspeed The New Testament: An American Translation; J. B. Rotherham, The Emphasized Bible, e Wilson The Emphatic Diaglott. Miles Grant afirma que os três manuscritos mais antigos do Novo Testamento, o Sinaítico, o Alexandrino, e Vaticano, usam pronomes neutros em vez de masculinos em João 14 (Op. cit. 290-293).

Considerações adicionais sobre a natureza de Cristo e Seu relacionamento com Deus será feito no tópico Cristologia. Considerações adicionais sobre a natureza do Espírito será feita no tópico Soteriologia.

Texto extraído do Livro Teologia Sistemática de Alva G. Huffer. Veja como conseguir a obra completa aqui.

Categorias
TEOLOGIA : Trindade
Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta:

*

*

RELACIONADOS:

  • Argumentos trinitarianos

    É quase patético considerar os frágeis argumentos que os trinitarianos utilizam para defender sua teoria. Eles admitem que a doutrina não é declarada na Bíblia, e então se agarram...
  • Trinitarianismo

    A mais predominante entre as muitas teorias falsas a respeito da unidade de Deus é o trinitarianismo. Esse erro foi introduzido para dentro da Igreja vindo do paganismo e...
  • Unidade de Deus

    Deus é um. Só existe uma pessoa que é Deus. Antes que o universo viesse a existir, o Deus vivo, pessoal e autoexistente estava sozinho. Este ser infinito e...
  • A história da Trindade

    Deus Pai? Deus Filho? Deus Espírito Santo? Três deuses numa pessoa, ou três pessoas num Deus? Como se chegou ao conceito trinitariano que conhecemos hoje? A mais estranha doutrina...
Translate »