A Ceia do Senhor é dia 14 ou 15?

Este estudo traz uma luz sobre as dificuldades que alguns líderes tem para determinar o dia exato da Santa Ceia. ...

Existem há centenas de anos grupos de discussão sobre se a observância da Páscoa é na noite do décimo quarto ou décimo quinto dia do primeiro mês Abib. Com este estudo, esperamos ajudar alguns, os que estão sinceramente tentando decidir o que fazer. Para aqueles que já decidiram, já fecharam as suas mentes, então provavelmente isso não será de muita ajuda, mas mesmo assim vamos orar. Nós que, com base nos exemplos de outras pessoas, sabemos que muitos têm suas mentes endurecidas e nenhuma quantidade de ajuda, ensino, oração ou conversas as ajudaram até agora. Esperemos que este estudo venha ser de alguma valia. Não devemos desistir de tentar. 

Primeiro, vamos olhar para I Coríntios 5: 7 “Lançai fora o velho fermento, que pode ser uma nova massa, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós,” [Todas as citações são da versão King James, salvo indicação em contrário e algumas das expressões foram alteradas para o uso moderno]. Isto mostra que Jesus Cristo foi a nossa Páscoa. Ele foi sacrificado por nós. Ele era a Páscoa original, ou o verdadeiro cordeiro pascal. O cordeiro que todos esses séculos foi retratado. Quando os israelitas o matavam e derramavam o seu sangue, assavam e comiam por inteiro sem quebrar um osso, retratava nosso Salvador Jesus Cristo que ia morrer para que os nossos pecados fossem perdoados. 

Lucas 22: 19-20: E, tomando o pão, deu graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo que é dado por vós Fazei isto em memória de mim da mesma maneira também o cálice, depois daceia, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós. João 6:53: Então Jesus disse-lhes: Em verdade, em verdade eu vos digo: Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Esta é uma escritura muito importante. Ela mostra que se não comer e beber a Páscoa, isto é, comer o pão sem fermento e beber o cálice do vinho que simboliza seu sangue derramado para a remissão de nossos pecados, então não há vida em nós. 

A nossa salvação eterna depende de nós comermos a Páscoa. Este dia deve ser o dia correto! Devemos realizar o exemplo de nosso Salvador e no tempo certo que Ele nos mostrou. 

O exemplo na Bíblia mostra, dado que a observância da cerimônia, na medida em que o que foi feito durante a refeição foi modificada, mas não mudou o dia da observância. Mudou a cerimônia, e não o dia. Que horas vamos tomar o pão e o vinho atualmente? A refeição da Páscoa, chamada por alguns de “Ceia do Senhor”, é um memorial da morte de nosso Salvador. Um memorial que normalmente se observa todos anos numa data específica. Tomemos por exemplo a 04 de julho, Memorial Day, Dia do Trabalho. O mesmo é verdadeiro sobre a Páscoa. É um memorial da morte de nosso Salvador e é observado todos os anos em comemoração da sua morte. 

O que os emblemas do pão e do vinho representam? 

Isto pode ser visto em Lucas, mas vamos ler Mateus 26: 26-28: e eles eram como comer, Jesus tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e deu-o aos discípulos e disse: Tomai, comei; este é o meu corpo e ele tomou o cálice, deu graças e deu-lho, dizendo: bebam tudo isso, pois este é o meu sangue da nova aliança, que é derramado por muitos para remissão dos pecados. Lemos em João, que se não comer sua carne ou beber seu sangue, não temos vida em nós. O pão simbolizava seu corpo quebrado e o vinho seu sangue derramado para a remissão de nossos pecados. I Coríntios 11: 29-30: pois aquele que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor por esta causa muitos fracos e doentes Entre vós, e muitos que dormem.

Estes emblemas foram introduzidos ao se comer a refeição da Páscoa como Mateus 26:17 diz: Ora, o primeiro dia da festa dos pães ázimos, vieram os discípulos a Jesus dizendo-lhe: Onde você vai que preparamos para você comer a Páscoa? Em seguida, verso 19: E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara, e prepararam a Páscoa. Os versículos 20 e 21: Chegada a hora de comer, quando Jesus estava sentado com os doze. E como eles comiam, disse: Em verdade vos digo que um de vós me trairá.” Em seguida, ver o verso 26: E estando eles comendo, Jesus tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e deu-o aos discípulos e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. Lucas 22: 13-15: E eles foram e acharam tudo como ele lhes disse… …e prepararam a Páscoa. Era a hora de comer, Jesus sentou com os doze apóstolos e disse: tive muito desejo de comer esta Páscoa convosco, antes da minha paixão. E há outras escrituras que você pode olhar, como Marcos 14:12, 18 e 22. 

A Páscoa retrata o sacrifício de nosso Salvador e o anjo da morte passando sobre os israelitas ainda quando eles eram escravos no Egito. A Páscoa retrata a passagem dos israelitas no Egito ao longo daquela noite fatídica, quando os primogênitos do Egito foram mortos. A Festa dos Pães Ázimos, como veremos mais tarde, o povo saindo do Egito. Vamos voltar para Êxodo 12: 24-27: E vós guardareis isto por estatuto para vós, a vossos filhos, para sempre e comereis dele, quando comerem na terra que lhe dará o Eterno, conforme eu prometi…  …comereis, e quando vossos filhos disserem: o que quer dizer com este culto? Digam que é o sacrifício da Páscoa do Eterno, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu os egípcios, e livrou as nossas casas. Então o povo inclinou-se e adorou. 

No dia seguinte foi um dia Santo, o primeiro dia dos pães ázimos. Ele imaginou um dia de libertação quando eles saíram do Egito. A Páscoa foi um momento de sobriedade e calma em suas casas quando eles se recolheram e o anjo da morte passou por cima, matando os primogênitos do Egito. No entanto, na noite seguinte os israelitas saíram do Egito com uma mão poderosa, como veremos mais adiante. Eles se alegraram, adoraram e celebraram. A Páscoa foi uma noite que se deve guardar e lembrada por toda a eternidade. Êxodo 12:21: Então Moisés chamou todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Ide e tomai-vos cordeiros segundo as vossas famílias, e sacrifiquem a Páscoa. Ela retrata a libertação da morte e não a saída do Egito. Deixar o Egito foi um tempo de regozijo. A festa dos Pães Ázimos foi um memorial para a morte do cordeiro, apenas a morte não teria sentido. O sentido estava na confiança posta no sangue (o sangue é agora simbolizado pelo vinho tomado durante o serviço de Páscoa). Em outras palavras, se apenas sacrificar o cordeiro e o deixar, não teria tido sentido algum. Eles tiveram que tomar esse sangue e colocá-lo sobre o seu umbral da porta. O sangue era sua salvação. Foi a marca que mostrou ao anjo da morte que essa família não deveria ser atacada. Lembre-se dos pontos originais, quais informações nós descobrimos até agora, porque esta é uma chave, na medida em que o serviço da Páscoa acontece. A Páscoa foi um tempo de proteção contra o anjo da morte, e a festa dos pães ázimos, foi um momento de libertação quando saíram do Egito com um regozijo com as mãos levantadas. 

O que significa “entre as duas tardes”? 

Agora vamos para o Antigo Testamento e leiamos as instruções da celebração da Páscoa. Em Êxodo 12: 6, “E o guardareis até ao décimo quarto dia do mesmo mês: E todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde”. Esta palavra “à tarde”, do jeito que foi traduzida na versão do King James, não é a melhor forma, porque é sempre traduzida tarde. No hebraico o termo é “erev”, como podemos ver na referência marginal, e é melhor traduzida por “entre as noites.” A Moffatt, publicação da sociedade judaica, mostra o que isso significa, “escuro” ou “anoitecer.” O cordeiro foi morto após o anoitecer, mas antes da escuridão radical. O termo “ben erevim” que significa “entre as noites”, a Sociedade de Publicação Judaica traduz da seguinte forma: “Vocês devem vigiá-lo até o dia décimo quarto do mês e congregar toda a comunidade e abatê-lo no crepúsculo. “

“Ben erevim” significa escura, ou crepúsculo sombrio. A mesma frase é usada em Levítico 23: 5: “No décimo quarto dia do primeiro mês, à tarde é a Páscoa do Eterno.” Procure Números 9: 3, 5: “Aos catorze dias deste mês, à tarde, o guardareis a seu tempo determinado; conforme todos os seus ritos, e conforme todas as suas cerimônias, o guardareis.“Agora verso 5: “E celebraram a páscoa aos catorze dias do primeiro mês, à tarde, no deserto de Sinai; conforme tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim fizeram os filhos de Israel.” Este termo à tarde, o mesmo termo usado em Êxodo e Levítico. Ele só é usado cerca de uma meia dúzia de vezes na Bíblia. É inconsistente a tradução na King James Version e pode ser comparada a uma consulta exatamente à meia-noite de 01 junho. Uma pessoa pode compreender de duas formas diferentes. Seria meia-noite 31 de maio ou 01 de junho? É uma forma muito semelhante ao problema “entre as noites” de Abib 14. É a mesma situação quando o período de tempo de um dia termina e começa outro. Na Bíblia King James a frase ben erevim é traduzida por noite, mas a palavra erev não significa “noite”, como será apontado mais adiante. 

Os outros locais onde este termo é utilizado vão ajudar a esclarecer. Êxodo 16:12, diz: Eu tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel: falar-lhes, dizendo: à tarde, [entre as duas tardes], comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão, e sabereis que eu sou o Eterno, teu Deus. Este é o momento do dia em que a codorna pousava para pernoitar. A hora do dia que os pássaros começam a fazer isso é no crepúsculo, quando está escurecendo. 

O próximo lugar que se encontra é em Êxodo 30: 8: E, quando Arão acender as lâmpadas à tarde, [entre tardes] queimará incenso sobre ela, incenso perpétuo perante o Senhor pelas vossas gerações. Êxodo 29:39 e 41: Um cordeiro oferecerás pela manhã, e o outro cordeiro oferecerás à tarde: [entre as duas noites], e o outro cordeiro oferecerás à tarde, e com ele farás conforme a oferta de cereais da manhã, e conforme a sua libação, de cheiro suave, oferta queimada ao Senhor. Você não iria acender as lâmpadas às três horas da tarde, nada se pode iluminar neste momento. Quando começava a escurecer, à tarde, as lâmpadas preparadas por Arão na parte da manhã eram acendidas, isto é, no crepúsculo. Números 28: 4: um cordeiro oferecerás pela manhã , e o outro cordeiro se oferecerá à tarde; [entre tardes], versículo 8: E o outro cordeiro oferecerás à tarde, [entre tardes], como as ofertas de carne no período da manhã, e como a sua libação, deverá oferecê-la, um sacrifício feito pelo fogo, de cheiro suave ao Eterno.

Se deixarmos a Bíblia interpretar a Bíblia, isto é o que devemos fazer, não podemos ir aos escritos do homem para determinar o que isso significa. A Bíblia claramente mostra que “entre tardes” é um tempo quando as aves começam a procurar um lugar para pernoitar. Em outro lugar, ele mostra que é um momento em que você normalmente iria começar a acender as lâmpadas de luz. Normalmente você acende uma lâmpada às 3:00 da tarde? Eu duvido que você iria acender uma lâmpada na parte da tarde, se não fosse durante o inverno, em dias nublados ou no verão, durante uma tempestade. No entanto, duvido que você, normalmente, acenda a luz, a menos que você esteja lendo ou fazendo algo tedioso que exija uma boa luz. Temos que deixar a Bíblia interpretar a Bíblia para nos dizer o que “ben erevim” significa! 

Êxodo 16:12 mostra que a codorna estaria disponível para eles comerem na hora do ben erevim. Os pássaros começam a ir para o poleiro ao anoitecer. Em Levítico 23:32: Ele será para vós um sábado de descanso, e afligireis as vossas almas: no nono dia do mês, à tarde. É assim que a palavra erev é usada. Da mesma forma que é celebrado o sábado.(2) Ele é usado aqui em referência claramente ao sol, pois sabemos que o dia na linguagem bíblica começa no pôr do sol, como mostrado em Gênesis 1. Afirma a tarde e a manhã, o dia primeiro, a erev é a tarde do primeiro dia. Em cada erev visto aqui é utilizado para a noite e não tem ben erevim. Em Êxodo 12: 4-6, 8: “E se a família for pequena demais para um cordeiro que ele e seu vizinho mais próximo se juntem na mesma casa de acordo o número das almas; cada um segundo o seu comer, fareis a conta do cordeiro. O cordeiro será sem mácula, um macho de um ano: será separado das ovelhas ou das cabras: e deverão mantê-lo até o décimo quarto dia do mesmo mês, e todo ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde, [entre as tardes]. “O versículo 8: “E comerão a carne naquela noite, assada no fogo, com pães ázimos, ervas amargas e com que o comerem.” No mesmo significado ba erev ou até o anoitecer. Versículos 11 a 12: “e, portanto, o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e comereis apressadamente: é a Páscoa do eterno, eu passarei a terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais, e contra todos os deuses do Egito farei juízos: Eu sou o Eterno“. Ben erevim, no versículo 6 acima, entre as tardes, entardecer ou anoitecer. Ele não usou o termo ou ba erev, que significa noite ou sol, ele usa o termo ben ha erevim

Em Êxodo 16 temos um evento que aconteceu no sábado quando Israel estava no acampamento. Se você traçar o caminho  pelo deserto vai encontrar os principais eventos que ocorreram nos sábados. Êxodo 16: 1 mostra que eles estavam lá no dia 15 do segundo mês, era um sábado no ano 1487 a.C. Depois do Dia do Senhor, Deus providenciou carne para eles comerem após o anoitecer, crepúsculo, durante esse período do dia, quando as aves vão para o poleiro, mas ainda há luz suficiente para distinguir objetos. A tradução para o português da Almeida Corrigida e Fiel, diz: “Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel. Fala-lhes, dizendo: Entre as duas tardes comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus.” Êxodo 16:12, [ACF]. Então Deus trouxe codornas depois do pôr do sol durante o crepúsculo. 

Comparando dois textos, Êxodo 12:6 e Êxodo 16:12, com a ajuda de várias traduções, será mais fácil de você entender. Na RSV Êxodo 12:6 erebim ben, conforme notas de rodapé, é “entre as noites” e ba erev é apenas à noite. Na tradução Moffatt ben a erevim é traduzida como “entre o pôr do sol e o escuro.” Ba erev é isso pôr do sol ou à noite na tradução. Na Bíblia New Enghish ben erevim está entre o pôr do sol e o escuro, ba erev é noite. Na publicação de tradução da Sociedade Judaica ben erevim é “anoitecer” e ba erev é “à tarde”, ou “à noite”. Na versão New American Standard ben erevim é “no crepúsculo” e ba erev é “à noite”. O termo ben erevin usado na Bíblia se refere a um período de tempo após o pôr do sol, e nunca a qualquer tempo antes do pôr do sol. 

Êxodo 30: 8 descreve as lâmpadas do tabernáculo: E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde, queimará o incenso sobre ele, o incenso perpétuo. Esse termo mostra que seria acesa a noite, momento escuro ou crepúsculo, segundo Toward. Não faria qualquer sentido acender as lâmpadas e queimar o óleo precioso 3 horas da tarde. O Todo-Poderoso é um Ser prático, conservador que não perde nada! Êxodo 12: 18: No primeiro mês, no dia catorze do mês, à tarde, [ba erev] comereis pães ázimos até o vigésimo primeiro dia do mês, à tarde. Este é um período de sete dias em que se comia pão sem fermento. Esta escritura mostra que o período de tempo começa no pôr do sol e termina no pôr do sol, sete dias depois. Lembre-se, os dias na Bíblia começam e terminam ao pôr do sol! A partir do décimo quarto ao pôr do sol do vigésimo primeiro dia, quando se come pão sem fermento, se observa a festa dos pães ázimos. Levítico 23: 6 mostra que deviam comer pães ázimos durante sete dias. Lembre-se sempre de deixar a Bíblia interpretar a Bíblia! Esta Escritura afirma: E no dia quinze do mesmo mês é a festa dos pães ázimos do Eterno: sete dias você deve comer pão sem fermento. Use a Bíblia para interpretar a Bíblia. Quando em um lugar ela afirma que é para comer pães ázimos por sete dias, e em outro afirma para começar a comê-lo no pôr do sol do dia 14 até o pôr do sol do dia 21, você não terá nenhum problema para entender quando a Páscoa era comida e quando a Festa dos Pães Ázimos começava. 

Os judeus ignoraram as instruções em torno deste mandamento, intencionalmente ou não, e mataram o cordeiro na tarde do décimo quarto dia. Tecnicamente de modo a cumprir a ordem para matá-lo no décimo quarto! Eles iriam matá-lo no final do dia, como o décimo quinto dia estava se aproximando, em torno de 15 horas, então eles iriam comê-lo mais tarde, depois do pôr do sol, no dia quinze. Isso não é o que está escrito, como vamos ver mais tarde. [sic] Em outros lugares, existem mais observações sobre a Páscoa. Matar o cordeiro não era tudo o que devia ser feito para o serviço. Havia outros passos: como comê-lo com as ervas e o pão sem fermento! 

Até o décimo quarto 

Leia Levítico 23: 5 com atenção e perceba o que ele diz: No décimo quarto dia do primeiro mês, à tarde é a Páscoa do Eterno. Ele não diz, antes ou depois, ele diz que “no” décimo quarto dia. Números 28: 16: e no décimo quarto dia do primeiro mês é a Páscoa do Eterno. O versículo 17 diz: E aos quinze dias do mês é a festa dos pães ázimos. Sete dias se comerão pães ázimos. Se é verdade que o décimo quinto dia do mês é para comer a Páscoa, então você teria que participar do vinho, que simboliza o sangue, na noite do décimo quarto! Você teria que participar da cerimônia nos dois dias separados do décimo quarto e décimo quinto. Você levaria o sangue quando o décimo quarto estava terminando e depois esperar por um tempo e comer do seu corpo quando o décimo quinto começasse. Você teria de fato dividir a observância e os símbolos do corpo de Jesus entre dois dias! 

Não há discussão sobre o fato de que o Cordeiro foi morto no décimo quarto. Êxodo 12: 6 diz: guardareis até o décimo quarto. A palavra hebraica traduzida por “até” é “ad” e que aparece pela primeira vez em Gênesis 3:19: No suor do teu rosto comerás o pão, até que [ad] que tornes à terra. A palavra hebraica “ad” significa: na medida em que, até o momento, tanto quanto, até, até que. Isso não quer dizer completamente ou após um ponto no tempo. Então eles “mantiveram até o décimo quarto, não após ele passar. Em seguida, versículos 7 a 12: E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite [note: “naquela noite”] comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele cru, nem cozido em água, senão assado no fogo, a sua cabeça com os seus pés e com a sua fressura. E nada dele deixareis até amanhã; mas o que dele ficar até amanhã, queimareis no fogo. Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do Senhor. E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e em todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o Senhor.

Esta escritura mostra ainda que era a mesma noite. Mantiveram o cordeiro separado até o décimo quarto dia, entre as noites, quando mataram, assaram e comeram. Se abrigaram em suas casas aquela noite, quando o anjo da morte passou pela terra. Eles imolaram a Páscoa e colocaram o sangue nas ombreiras, na noite do décimo quarto. 

Ninguém saiu de sua casa até a manhã 

Após o cordeiro ser morto, ele tinha que ser preparado e algumas de suas entranhas tinham que ser removidas. Em seguida, o sangue era aspergido nos umbrais. Êxodo 12: 21-22.: Então Moisés chamou todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Ide e tomai-vos cordeiros segundo as vossas famílias, e sacrifiquem a Páscoa e deverão tomar um molho de hissopo, e mergulhe-o no sangue que estiver na bacia, e fira a verga e as duas ombreiras, do sangue que estiver na bacia, e nenhum de vós sairá da porta da sua casa até pela manhã. Foi na mesma noite e diz que não podia sair até de manhã. 

A palavra hebraica usada aqui é Boker, manhã, e significa o romper do dia, ou madrugada, ou de manhã cedo. Êxodo 16:21: Eles, pois, o colhiam cada manhã, cada um conforme ao que podia comer; porque, aquecendo o sol, derretia-se. [ACF] Isso mostra que a manhã, durante as horas de luz do dia se dava o recolhimento do maná. Naqueles tempos seria muito difícil no escuro. Também se nota que o período de tempo era antes do aquecimento pelo calor do dia. Êxodo 12:28: E os filhos de Israel foram embora, e fez o que o Eterno ordenara a Moisés e a Arão, assim fizeram. Então eles permaneceram em suas casas até de manhã, segundo a Bíblia, a Palavra de Deus. Agora leia o 29: E aconteceu, à meia-noite, que o Senhor feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. À meia-noite do dia 14, ainda estamos no décimo quarto dia. 

Agora veja o verso 30 (que levou algum tempo para a notícia da tragédia chegar a todos), “E Faraó levantou-se de noite [ainda era noite], e todos os seus servos e todos os egípcios, e houve uma grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto“. O anjo da morte passou à meia-noite, Faraó levantou-se após a meia-noite e é chamado na Bíblia noite e não de manhã. A Bíblia chama esse período de tempo após a meia-noite, a noite; ainda estava escuro. Agora veja o verso 31: Então chamou a Moisés e a Arão de noite, e disse: Levantai-vos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide, servi ao Senhor, como tendes dito. A Bíblia diz que, de noite, mas não diz exatamente que horas da noite eram. 

Quando lemos Êxodo 12: 3 e 7, é óbvio que os filhos de Israel estavam nas suas casas e não nas tendas de Ramsés esperando para sair. Observe a palavra casa nos originais das escrituras. A palavra hebraica para casa que é usada nas escrituras é bayit, significa “casas” e não tendas. A palavra hebraica para tendas é succoth ou ol e não é usado como bayit, indicando os locais de alojamento dos israelitas e egípcios no capítulo 12. 

Êxodo 8:22 mostra que os israelitas habitavam em Gósen. Gósen era uma área de pelo menos três centenas de quilômetros quadrados. Antes de começar o êxodo o povo teve que viajar muitos quilômetros para o ponto de encontro. Ao amanhecer do décimo quarto dia, os israelitas deixaram suas casas e muitos prejuízos deram aos egípcios até a saída deles para Ramsés. Aparentemente, quando levamos em consideração Êxodo 11: 2-3, após a nona praga em 10: 28-29, quando Faraó disse que não iria mais ver o rosto de Moisés, porque os israelitas fizeram muitos estragos aos egípcios antes da última praga, é mais do que provável que os israelitas sabiam profeticamente o que ocorreria na próxima e começaram a pedir “empréstimo” aos egípcios neste momento. No entanto, a maior parte do estrago foi feito durante a parte clara do dia décimo quarto. 

Êxodo 12: 33-36, E os egípcios apertavam ao povo, apressando-se para lançá-los da terra; porque diziam: Todos seremos mortos. E o povo tomou a sua massa, antes que levedasse, e as suas amassadeiras atadas em suas roupas sobre seus ombros. Fizeram, pois, os filhos de Israel conforme a palavra de Moisés, e pediram aos egípcios jóias de prata, e jóias de ouro, e roupas. E o Senhor deu ao povo graça aos olhos dos egípcios, e estes lhe davam o que pediam; e despojaram aos egípcios. [ACF] Isso mostra que mesmo que parte da deterioração tenha sido a do capítulo 11, a maior parte dos prejuízos foi após a morte dos primogênitos. Os egípcios estavam mais do que dispostos a dar aos israelitas o que eles necessitavam para sair do Egito antes que todos morressem. Os egípcios os exortaram a deixá-los, o verso 36 mostra que eles estavam generosos. Os egípcios sentiram urgência para se livrar dos israelitas. 

Moisés sabia bem antes do êxodo o que aconteceria aos egípcios para que eles dessem graça ao povo. Êxodo 3:22: Porque cada mulher pedirá à sua vizinha e à sua hóspeda jóias de prata, e jóias de ouro, e vestes, as quais poreis sobre vossos filhos e sobre vossas filhas; e despojareis os egípcios. [ACF] Estava tão ciente que antes da última praga, ele, possivelmente, para não arruiná-los demais, e antes do décimo quarto dia após a nona praga [pediu com moderação ajuda a Faraó, Êxodo 10:25 e 26]. Esta conclusão é tirada a partir da declaração profética de Moisés, como vimos anteriormente em Êxodo 10: 28-29, que Faraó não iria mais ver os rostos de Arão e Moisés. 

Os israelitas não podiam deixar suas casas na noite do décimo quarto porque tinham ordem para não saírem delas até pela amanhã. Êxodo 12: 21-22: Então Moisés chamou todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Ide e tomai-vos cordeiros segundo as vossas famílias, e sacrifiquem a Páscoa e deverão vocês tomar um molho de hissopo, e mergulhe-o no sangue que estiver na bacia, e firam a verga e as duas ombreiras, do sangue que estiver na bacia, e nenhum de vós sairá da porta da sua casa até pela manhã. Esta palavra Boker hebraico, como já foi comprovado, era chamada de manhã no período diurno. Eles não podiam sair de suas casas até que a luz do dia chegasse. 

Segundo as autoridades, seriam necessárias uma hora para que um motorista com um bom carro viajasse de Goshen ou Ramsés a Zoan ou Tannes, que era onde o faraó estava. E levaria mais uma hora para voltar. Você pode procurar Salmos 78:12 e Isaías 19: 11-12 para comprovar que estes eram os locais onde estavam Faraó e os israelitas. Provavelmente, próximo das 4:30 a luz do dia aparecia no céu oriental no arraial de Israel. Os israelitas teriam ficado em suas casas esperando o dia amanhecer para queimar o resto de suas ovelhas. 

Deve ser lembrado que os israelitas contavam de dois a três milhões, mais uma multidão mista e grande quantidade de gado, como se pode provar na leitura de Êxodo 12:38: E a multidão mista subiu com eles também, e em rebanhos e manadas, mesmo muito muito gado. O êxodo seria comparável a mudar cidades do tamanho de San Francisco, Dallas ou St. Louis. Não é possível aceitar que isto aconteceu em um par de horas depois da meia-noite e não considerar os problemas logísticos e, ainda, ignorar o comando claro que eles não podiam sair durante a noite! Além disso, não levar em consideração a espoliação dos egípcios, Êxodo 12:35.  

Israel deixa o Egito durante a noite do décimo quinto dia 

A Bíblia é clara com a declaração de que Israel deixou o Egito no décimo quinto dia! Eles saíram à noite quando o décimo quinto dia começou. Deuteronômio 16: 1 [indica um evento exatamente dois meses depois]: E partindo de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do mês segundo, depois de sua saída da terra do Egito. [ACF] “Quanto mais claro pode ser? Ele diz que eles deixaram durante a noite. Deus não disse para saírem durante a noite do décimo quarto dia, mas ele diz que “deixaram na noite”. Então, as pessoas dizem que eles saíram imediatamente no décimo quarto. Jesus Cristo disse: “Não vim destruir a lei” e o homem carnal imediatamente diz: “Jesus Cristo veio para acabar com a lei da servidão.” Deus disse a Adão e Eva para não comer daquela árvore, poderiam comer de tudo o que quisessem de qualquer uma das outras, mas não aquela, e Satanás imediatamente os tenta para se rebelarem contra Deus. É o mesmo espírito que trabalha nos seres humanos que faz com que se rebelem contra os comandos mais simples de Deus. 

Números 33: 3: E eles partiram de Ramsés no primeiro mês, no décimo quinto dia do primeiro mês, no dia seguinte após a Páscoa os filhos de Israel saíram com alta mão, aos olhos de todos os egípcios. Lembre-se de quando foi mostrado anteriormente que aquela noite de Páscoa era uma solenidade. Eles estavam em suas casas abrigados atrás do sangue que salvou a vida de seus primogênitos. Na noite seguinte, o décimo quinto dia, deixaram o Egito com uma mão alta, celebrando e regozijando. Eles tiveram que usar a maior parte do período claro do dia [décimo quarto] para organizar a grande massa de pessoas. Seiscentos mil homens, quando combinada com a população de mulheres e crianças, deve ter passado de três milhões de pessoas! Isto é o equivalente a dezoito Rose Bowls cheio de pessoas!

Os israelitas marcharam em fileiras, Êxodo 13:18, “Mas Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto do Mar Vermelho; e armados, os filhos de Israel subiram da terra do Egito.” [ACF] Eles não tinham nenhum meio de transporte disponível, como caminhões, guindastes, ônibus ou trens. Foram a pé, ou de burro, cavalos ou camelos. Necessitavam de muito tempo para dirigir grandes multidões para fora de uma área. [sic] Imagine um grupo de três milhões de carros e rebanhos de gado e ovelhas. Não poderia ter sido feito em 30 minutos a qualquer hora. Oficiais do Exército, que são especialistas em logística, dizem que poderia ter sido feito entre o nascer e o pôr do sol apenas se houver uma logística especializada. Lembre-se que Moisés tinha sido um grande general no Egito e tinha que ter sido treinado na organização e movimento de tropas. Então, mais uma vez, vemos que Deus tinha preparado uma pessoa anos antes da necessidade. Isso aconteceu sem que a pessoa soubesse que estava sendo treinada para realizar tal missão.

História secular corrobora para a verdadeira data da páscoa 

Em seguida, iremos para as fontes que dão suporte secundário. Estes são os escritos dos homens nas histórias, comentários e dicionários. Estes não devem ser usado como nossa fundamentação! Nós sempre devemos ir primeiro para a Bíblia e deixar que a Bíblia interpretar a Bíblia. Que seja o nosso guia e não os escritos dos homens. 

Logo após o primeiro século, surgiu uma controvérsia sobre se a observação da Páscoa ou Ceia era no dia 14 do mês de Abib. Essa controvérsia foi chamada de controvérsia Quartodecimana. Um dos defensores do 14 do primeiro mês foi Policarpo a quem o apóstolo João nomeou bispo de Esmirna. Policarpo sofreu martírio por defender com Polícrates [que o dia era o décimo quarto]. “Mas Policarpo não só foi instruído pelos apóstolos, também conversou com muitos que tinham visto o Cristo, foi apóstolo na Ásia, nomeado bispo da igreja de Esmirna …. Foi ele que, vindo a Roma encontrar com Aniceto, bispo de Roma, cerca de 154 dC, fez com que muitos se afastassem das heresisas para a Igreja de Deus, proclamando que ele tinha recebido um presente e única verdade dos apóstolos… …nem Aniceto convenceu Policarpo a não observá-lo, porque ele sempre observou conforme João, o discípulo do Senhor,  e o resto dos apóstolos com quem foi associado,” Eusébio” Ecl. História, Livro V, Capítulo 24 em Nicéia e Pós Nicene Fathers Volume I. 

Quanto a nós, então, nós escrupulosamente observamos o dia exato, nem acrescentamos nem tiramos. Pois na Ásia grandes luminares que foram para seu descanso, que ressuscitarão no dia da vinda do Senhor … eu falo de Filipe, um dos doze apóstolos … João. Além disso, que reclinava sobre o peito do Senhor …  [sic]  há Policarpo … Estes todos celebraram a páscoa no dia catorze do mês, de acordo com o evangelho, sem nunca desviar-se, mas mantendo-se a regra de fé “, Padres Ante-Nicéia, Volume 8, páginas 773-774. 

Na edição da década de 1970 o artigo sobre a Páscoa da Enciclopédia Judaica tem a seguinte informação: “Pesach vem da raiz que significa “passar por” ou “de sobra”. [A] A festa da Pessach […] Levítico 23 parece distinguir entre a Páscoa, que é definida para o dia catorze do mês, e maẓẓot, o Festival dos Pães Ázimos, (Lucas 22: 1 …. .. Prev Joseph II, 1, 3), nomeado para o décimo quinto dia ocorreu em Abib, mais tarde chamado Nisan, e durou sete dias, do por do sol no décimo quarto dia ao por do sol do dia vinte e um, o primeiro e o sétimo dia foram reservados para santa convocação, nenhum trabalho era permitido, exceto, naqueles dias, o que era necessário para a preparação dos alimentos (Números 28: 16-25). O abate, a preparação e o comer o cordeiro pascal era introdutório para a celebração da festival.”

No artigo intitulado “Páscoa” da Enciclopédia Judaica, na página 553 encontramos: “Dois festivais, originalmente distintos foram mesclados. Suas idéias subjacentes, reaparecem ambas associadas com o dia santo, e sua configuração e ocasião histórica assumida, em seu ritual “. 

Flavius ​​Josephus era um fariseu, como pode ser comprovado a partir de seus próprios escritos. Em seu livro A Vida de Flávio Josefo no parágrafo 2 tem a afirmação: “Quando eu tinha feito até os meus desejos, eu voltei para a cidade, sendo agora 19 anos de idade, e começou a me comportar de acordo com as regras da seita do fariseus, que é parente à seita dos estóicos, como os gregos chamam-lhes”. Ele será visto a partir das seguintes citações de suas obras que a Páscoa e o primeiro Dia Sagrado dos pães ázimos tornaram-se um. 

“Como agora a guerra no exterior cessou por um tempo, a sedição dentro foi revivida, e na festa dos pães ázimos, que agora estavam comemorando, sendo o décimo quarto dia do mês Xântico, [Nisan]. quando os judeus acreditam que foram libertados dos egípcios”, (Guerra dos Judeus, livro 5, capítulo 3, parágrafo 1). Esta citação mostra a confusão. Os israelitas foram libertados dos egípcios no décimo quinto e não no décimo quarto. “E como a festa dos pães ázimos era junta, no primeiro mês, o que, segundo os macedônios, é chamado Xântico, mas de acordo com o nosso Nisan, todas as pessoas corriam juntas fora das aldeias para a cidade, e celebravam o festival, depois de ter se purificado, com suas mulheres e crianças, de acordo com a lei de seu país; e o sacrifício que eles ‘ofereciam, que foi chamado de Páscoa, no dia catorze do mesmo mês, e festejaram sete dias, e não poupou custo, mas ofereciam holocaustos a Deus… “, (Antiguidades dos Judeus, Livro XI, capítulo 10, parágrafo 8). “No mês Xântico, que é para nós chamado de Nisan, e é o início de nosso ano, no décimo quarto dia do mês lunar, quando o Sol está em Áries, no Leste, mês que foram libertados da escravidão dos egípcios, a lei ordena que sacrificassêmos todos os anos […] Quando saímos do Egito, e que foi chamado a Páscoa; e assim que nós celebramos a Páscoa. [sic] Não deixando nada do que sacrificamos até o dia seguinte. A festa dos pães ázimos segue a Páscoa, e cai no décimo quinto dia do mês, e dura sete dias contínuos, em que eles se alimentam de pães ázimos; que em cada um dos dias dois touros são mortos, e um carneiro, e sete cordeiros. “Antiguidades dos Judeus, Livro III, capítulo 10, nº 5. 

Pode ser aqui notado que os samaritanos, se apoiando apenas na “Torá” acreditam que a Páscoa deve ser mantida “entre as noites”, como foi apontado anteriormente. Sacrificam no crepúsculo no início do décimo quinto dia de Nisan. Eles observam uma religião corrompida alegando que é a religião que ensinou a Moisés. 

“Quando Deus tinha, mas significava que, com mais uma praga que obrigaria os egípcios a deixar os hebreus partirem, ordenou a Moisés para dizer ao povo preparar-se que eles devem, no décimo dia do mês Xântico, contra o décimo quarto, (que mês é chamada pelos egípcios Pharmuth e Nisan pelos hebreus, mas os macedônios chamam Xântico,) e que eu deveria levar embora os hebreus com tudo o que tinham. Consequentemente, estando prontos os hebreus para a partida, e tendo sido classificado as pessoas em tribos, ficaram juntos em um só lugar: mas, quando, aos catorze dias, comeram, e todos estavam prontos para partir, eles ofereceram o sacrifício, e purificaram suas casas com o sangue, usando ramos de hissopo para o efeito, e quando eles tinham jantado, queimaram o restante da carne, e ficaram prontos para partir. Donde é que nós ainda oferecemos um sacrifício de maneira semelhante até hoje, e chamamos este festival de Páscoa, o que significa a festa da Páscoa, porque naquele dia Deus passou por nós ao longo, e mandou uma praga sobre os egípcios; para a destruição do primogênito que veio sobre os egípcios naquela noite, muitos dos egípcios que viviam perto do palácio do rei, convenceram Faraó para deixar os hebreus partirem. Assim mandou chamar Moisés, e disse-lhes para ir embora. Como supor que, se os hebreus foram embora do país, o Egito deveria ser libertado de suas misérias. Eles também homenagearam os hebreus com presentes; alguns, a fim de levá-los a sair rapidamente, e os outros por conta de sua vizinhança, e a amizade que com eles tinham.” (Antiguidades dos Judeus, Livro II, capítulo XI, parágrafo 6). “De onde isso é em memória […]  nós mantemos uma festa durante oito dias, que é chamada a festa dos pães sem fermento.” (Antiguidades dos Judeus, Livro II, capítulo XV, parágrafo 1). As citações acima provam que a festa da Páscoa não era uma festa de sete dias seguidos. […]

“Comparação dos estratos sucessivos da influência das leis do Pentateuco sobre o festival deixa claro que a instituição, tal como desenvolvida, é realmente de caráter composto. Dois festivais originalmente distintos, tornaram-se fundiram …,” Enciclopédia Judaica, Volume IX 1905 artigo “Páscoa”. 

Conclusão 

Em conclusão, é muito fácil de determinar a verdade, se você deixar a Bíblia interpretar a Bíblia, você tem o Espírito Santo. Os escritos dos homens só confundem, já quem tem o Espírito de Deus está apto para compreender a verdade. Os judeus rejeitaram o dia correto da Páscoa e, por sua vez rejeitaram o verdadeiro Messias. Se tivessem mantido a Páscoa de forma correta, talvez teriam reconhecido o Messias. Além disso, os judeus rejeitaram o dia correto de Pentecostes e não receberam o Espírito Santo! 

Os escribas e fariseus estavam em posição de autoridade, mas a multidão de inúmeras injunções e ensinamentos de nosso Salvador mostram que estavam longe de serem perfeitos na doutrina. Os exemplos são mostrados em Mateus 19:1 em matéria de divórcio; Marcos 2: 25-27 sobre a forma relativamente correta da observância do sábado; e Marcos 7: 6-13 em relação às muitas tradições”, que Ele observou. 

Espero que este estudo ajude aqueles que têm problemas com este assunto. É com esta esperança fervorosa que foi dedicado esforço a exaustão. 

É principalmente por causa da advertência do apóstolo Paulo em Hebreus 10: 25-31 que este estudo foi escrito: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns, antes, façamos admoestações e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia, porque se voluntariamente, depois de informações que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação horrível de um certo juízo e ardor de fogo que há de devorar os adversários.” Uma pessoa pode ser classificada como um adversário se eles lutam contra a verdade do Todo-Poderoso. “Alguém tendo rejeitado a lei de Moisés, morre sem misericórdia, pela boca de duas ou três testemunhas: de quanto maior castigo sofrer, supõe-se que, deve ser considerado indigno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança, com que eu foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça? Para nós que conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor; e outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.”

A Bíblia é clara. A observância da Páscoa é no crepúsculo, no início do décimo quarto de Abib. Que Deus nos dê toda a força para fazer o que Ele diz e não o que os homens sonham como enganadores. 

Escrito por: Ronald H. Stewart 

Para um estudo mais aprofundado sobre a questão da Páscoa 14 ou 15, recomendamos o livro de 303 páginas, A Páscoa cristã, por Fred R. Coulter, disponível a partir de A Igreja de Deus Cristã Bíblica, PO Box 1442, Hollister, CA 95024, por US $ 21,95

Categorias
ANTROPOLOGIA
Nenhum comentário ainda

Deixe uma resposta:

*

*

RELACIONADOS:

Translate »