Satanás foi rei de Babilônia e rei de Tiro?

O rei da Babilônia e o Rei de Tiro: uma análise de Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19

Carlos Augusto Vailatti (1)

O presente artigo tem o objetivo de discutir a respeito da identidade dos reis da Babilônia e de Tiro nas respectivas passagens bíblicas de Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19 a partir do contexto interpretativo judaico-cristão. Além disso, buscar-se-á apresentar a análise dos referidos textos bíblicos, tendo como principal referencial a abordagem histórico-mitológica deles.

Introdução

Ao longo da história da interpretação bíblica, os exegetas têm divergido consideravelmente sobre o verdadeiro significado de Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19. Para alguns, o sentido desses textos é incerto, de modo que os veem como “duas passagens enigmáticas” da Bíblia. (2)

 Já para outros, o significado desses trechos bíblicos é bem claro, pois, argumentam, “as duas passagens centrais do Antigo Testamento sobre Satanás são Ezequiel 28 e Isaías 14”. (3)

E ainda outros, por sua vez, afirmam que estes mesmos textos se referem com clareza a “reis humanos”, e não a um anjo mau. (4)

Ora, quem, afinal, está com a razão? Qual é a interpretação mais adequada para esses textos? Será que Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19 retratam tanto a queda de dois reis humanos, isto é, o rei da Babilônia e o rei de Tiro, respectivamente, como também descrevem a queda original de um ser angelical, conhecido na tradição cristã antes de sua queda como Lúcifer e posteriormente como Satanás? Essas passagens bíblicas realmente falam sobre a queda de um anjo originalmente bom? Se não, qual seria então a verdadeira identidade desses reis? Quem seriam os personagens hêlêl ben-shâhar de Isaías 14:12 e melekh tsôr de Ezequiel 28:12?

Como interpretar algumas expressões presentes nessas passagens que parecem apontar realmente para uma entidade angelical? Como o Judaísmo e o Cristianismo têm interpretado esses textos nas origens de suas respectivas tradições? Bem, estas são algumas perguntas que buscaremos responder até o término desse estudo.

Neste artigo apresentaremos as principais interpretações dadas a Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19 no contexto judaico-cristão e, em seguida, forneceremos a nossa tradução, análise e interpretação dos principais termos e frases presentes nessas passagens bíblicas. Por meio do reexame desses textos bíblicos pretendemos dar a nossa contribuição para os estudos referentes a este assunto. Iniciemos, então, a nossa jornada.

A identidade do Rei da Babilônia e do Rei de Tiro segundo a tradição judaica

A identidade dos reis de Tiro e da Babilônia é um tema que tem estado presente na tradição judaica por meio dos escritos de seus sábios. Contudo, devido às limitações do presente estudo, nos restringiremos a apresentar apenas algumas fontes literárias que abordam este assunto.

Talmude Babilônico (200-500 d.C.)

O Talmude Babilônico, no Tratado Shabbath 149b, interpreta Isaías 14:12desse modo:

“Como caíste do céu, ó estrela do dia, filho da manhã! Como foste lançado por terra tu holesh [que fizeste lançar sortes] sobre as nações” (Isaías 14:12) etc. Rabbah, filho do R. Huna disse: “Isto ensina que ele [Nabucodonosor] lançou sortes sobre os chefes reais para saber de quem era a vez da pederastia”. (EPSTEIN, 1961, p.925).

Essa descrição altamente depreciativa e fantasiosa do rei babilônico mostra que “as lendas sobre os excessos e a má conduta sexual de Nabucodonosor cresceram ao longo do tempo e tornaram-se cada vez mais bizarras”. (5)

Entretanto, excluindo-se os elementos lendários, nota-se que essa declaração talmúdica associa o personagem hêlêl ben-shâhar (“o brilhante, filho da Alvorada”) de Isaías 14:12 a Nabucodonosor. (6)

Além disso, o Talmude Babilônico, no Tratado Pesahim 94a-94b, interpreta Isaías 14:14 assim:

R. Yohanan ben Zakkai disse: “Que resposta a Bath Kol deu àquele homem perverso [Nabucodonosor] quando ele afirmou: ‘Eu subirei acima das alturas das nuvens; Eu serei semelhante ao Altíssimo’? (Isaías 14:14). Uma Bath Kol veio e o repreendeu: ‘Tu és um homem mau, filho de um homem mau, descendente do perverso Nimrod, que incitou todo mundo a se rebelar contra Mim durante o seu reino!'”. (EPSTEIN, 1961, pp.1764-1765).

Aqui, o Talmude põe a declaração megalomaníaca de Isaías 14:14 nos lábios do rei babilônico Nabucodonosor, nome este que não aparece uma única vez em todo o livro do profeta Isaías. Observa-se ainda o emprego que o Talmude faz da expressão hebraica Bath Kol (“filha de uma voz”), uma terminologia recorrente na literatura rabínica usada para referir-se à “voz divina”. (7)

Além disso, nota-se novamente a presença de uma lenda talmúdica segundo a qual Nimrod, como o primeiro de seus ancestrais, teria servido de inspiração para Nabucodonosor em sua conduta arrogante diante de Deus. (8)

Mekhilta De-Rabbi Shimon Bar Yohai (70-500 d.C.)

Esta Mekhilta, que apresenta uma antologia de tradições rabínicas deinterpretação (midrash), no Tratado Shirata XXVIII:1:10:A-C, declara:

A. Porque assim você descobre com Nabucodonosor, que pelos [muitos] meios pelos quais ele se exaltou diante dEle, Ele exigiu a sua punição. B. Como diz a Escritura: “Uma vez que você pensou em seu coração, ‘Eu subirei ao céu etc'”. (Isaías 14:13). C. O que [mais] a Escritura diz? – “Em vez disso, você será levado para baixo, ao Sheol etc” (Isaías 14:15). (NELSON, 2006, p.125).

Nesse trecho da Mekhilta De-Rabbi Shimon Bar Yohai percebe-se mais uma vez a relação estabelecida entre Nabucodonosor e o personagem arrogante descrito em Isaías 14:12-15.

Livro dos Segredos de Enoque (I Século d.C.)

No Livro dos Segredos de Enoque 29:3-4 (obra pseudepígrafa também conhecida como Enoque Eslavônico ou 2 Enoque) encontramos uma linguagem que remete àquela de Isaías 14:12-13a:

3 E um dos anjos, tendo saído de sua hierarquia e se desviado para uma hierarquia abaixo da sua, concebeu um pensamento impossível: colocar o seu trono acima das nuvens que se encontram sobre a terra, para que seu poder se igualasse ao meu. 4 Precipitei-o do alto com seus anjos, e ele pôs-se a voar por cima do abismo, continuamente. (PROENÇA, 2005, p.116).

Apesar dessa obra ser datada do I Século d.C. e classificada geralmente como de origem judaica,(9) foi aventada também a possibilidade de ter sido escrita entre o II ou III Séculos d.C. por “um judeu cristão que estava interessado em produzir uma contraparte cristã ao 1 Enoque judaico”.(10) Seja como for, essa referência feita a um anjo que é precipitado do céu com seus anjos se aproxima mais da descrição cristã da queda do diabo e seus anjos em Apocalipse 12:9 do que da menção ao rei babilônico Nabucodonosor. Desse modo, independentemente da procedência de 2 Enoque, a influência do pensamento cristão nesse trecho do livro é evidente.

Pirkê De-Rabbi Eliezer (IX Século d.C.) (11)

Os Pirkê De-Rabbi Eliezer (também conhecido pela sigla: PRE), uma obra midráshica-agádica sobre a Torah que contém exegese e releituras de histórias bíblicas, apresentam, em seu Capítulo 12, a seguinte explicação sobre a identidade do personagem mencionado em Ezequiel 28:13:

O Santo, bendito seja, fez dez aposentos nupciais para Adão no jardim do Éden. Eles foram todos (feitos) de pedras preciosas, pérolas e ouro. […] a fim de conferir honra especial ao primeiro homem, o Santo, bendito seja, fez dez (aposentos nupciais) no jardim do Éden, como está escrito: “Tu estavas no Éden, jardim de Deus; toda pedra preciosa era tua cobertura, a sardônica, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, a esmeralda, o carbúnculo e o ouro” (Ezequiel 28:13). Eis que estes são os dez aposentos. Os anjos estavam tocando tamborins e dançando com pífaros, como está escrito: “A obra dos teus tambores e dos teus pífaros estava contigo” (Ezequiel 28:13). (FRIEDLANDER, 1916, pp.88-89).

Observa-se, nesse trecho dos Pirkê De-Rabbi Eliezer, a total ausência de vínculo entre o rei de Tiro (que nem sequer é mencionado) e Adão, relação que é estabelecida em Ezequiel 28:11-13. Além disso, a referência feita aos aposentos nupciais de Adão é interpretada pelo Tratado Baba Bathra 75 a-b como uma indicação escatológica de que Adão foi um homem justo e que, portanto, ele será contado entre os justos no mundo vindouro.(12)

Mekhilta De-Rabbi Ishmael (I-II Século d.C.) (13)

A Mekhilta De-Rabbi Ishmael, que é uma antologia de antigas interpretações rabínicas sobre o livro de Êxodo, em seu Tratado Shirata 8:32, declara o seguinte:

[Outra interpretação: Quem ­­­­é semelhante a Ti entre os deuses, ó Senhor (Êxodo 15:11)]. Quem é semelhante a Ti entre aqueles que se chamam deuses? Faraó chamou a si mesmo deus, como está escrito: “Uma vez que o rio Nilo é meu e eu me fiz” (Ezequiel 29:3). E do mesmo modo Senaqueribe, como está escrito: “Quem são eles entre os deuses dessas nações” etc (Isaías 36:20). E da mesma sorte Nabucodonosor, como está escrito: “Eu subirei acima das alturas das nuvens” etc (Isaías 14:14). E também o príncipe de Tiro, como está escrito: “Filho do homem, diga ao príncipe de Tiro: Assim diz o Senhor Deus: ‘Porque o teu coração se levou'” etc. (Ezequiel 28:2). (LAUTERBACH, 2004, p.398).

Neste trecho, a singularidade de Yahweh é realçada em detrimento das tentativas humanas malsucedidas de autodivinização exemplificadas por quatroreis estrangeiros: Faraó, rei do Egito; Senaqueribe, rei da Assíria; Nabucodonosor, rei da Babilônia; e o anônimo rei de Tiro. Aqui, tanto o rei da Babilônia quanto o rei de Tiro são retratados como meros seres humanos que aspiram insensatamente à posição da divindade.

Midrash Tanhuma (VIII-IX Século d.C.) (14)

Finalmente, o Midrash Tanhuma (edição de Salomão Buber), obra que apresenta uma coleção de comentários sobre a Torah, assim se pronuncia sobre a identidade do rei de Tiro no contexto de Ezequiel 28:1-19:

Outra interpretação […] você encontra em Hirão [rei de Tiro], quando se fez um deus. O que está escrito? “Porquanto se elevou o teu coração e disseste: eu sou um deus” (Ezequiel 28:2). O Santo, bendito seja, lhe disse: “Eis que tu és mais sábio que Daniel” (Ezequiel 28:3). Nabucodonosor quis oferecer-lhe sacrifícios [a Daniel] e ele se recusou, mas tu tens fabricado um deus. Qual é o seu fim? “Eu te lançarei sobre a terra” (Ezequiel 28:17). (ARMENTEROS, 2009, p.429).

Observamos neste midrash que Hirão, rei de Tiro, ao auxiliar o rei Salomão na construção do templo (cf. 1 Reis 5:1-18; 9:10-28; 2 Crônicas 2:1-16 etc), acabou tendo a sua imagem vinculada pela imaginação rabínica à figura do rei de Tiro de Ezequiel 28:11-19. (15)

__________________________________

NOTA: Este post é parte do artigo de Carlos Augusto Vailatti. Estamos publicando em nossa página pela relevância de sua pesquisa para a questão teológica referente a satanás. Esta foi a primeira parte, publicaremos as demais em breve. Mas para quem desejar se antecipar e conhecer o estudo completo, segue o link abaixo:

Link para o PDF do artigo de Carlos Augusto Vailatti

Também, quem quiser adquirir alguns de seus livros, segue link:

1  Doutorando em Estudos Judaicos e Árabes, com concentração em Estudos Judaicos, pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Teologia pelo Seminário Teológico Servo de Cristo (STSC) e Bacharel em Teologia pelo Instituto Betel de Ensino Superior (IBES) e também pela Escola Superior de Teologia (EST). (augustovailatti@ig.com.br )

2 MARKOS, 2013, p.218.

3 INGRAM, 2006, p.46.

4 HEASTER, 2007, p.342.

5 HENZE, 1999, p.133.

6 BOTTERWECK & RINGGREN, 1974, p.468.

7 COHN-SHERBOK, 1998, p.40.

8 EFRÓN, 1987, p.85.

9 Classificamos essa obra como pertencente à tradição judaica porque entende-se comumente

que o seu autor foi um judeu de Alexandria, no Egito. (Cf. HELYER, 2002, p.380-381).

10 CROSS & LIVINGSTONE, 2005, p.551.

11 Embora esta obra seja atribuída tradicionalmente ao Rabi Eliezer ben Hyrcanos (I-II Século

d.C.), todavia, o estudo da linguagem e do estilo dos PRE revelou tratar-se, na verdade, de

uma obra pseudepigráfica, uma tentativa do autor do período dos gueonim (589-1038 d.C.) –

mais precisamente do IX Século – de representar o seu trabalho como sendo do período

tanaítico (100-200 d.C.). (Cf. SACKS, 2009, p.42).

12 PATMORE, 2012, p.23-24.

13 Apesar das discussões referentes à datação dessa Mekhilta, Neusner afirma que o consenso

prevalecente entre os eruditos é de que ela foi redigida entre o I e o II Século d.C. (Cf.

NEUSNER, 2001, p.xxxiv, nota 15).

14 Towsend afirma que é muito difícil datar com precisão a redação do Midrash Tanhuma.

Contudo, explica que “a recensão de Buber como nós a conhecemos não pode ter existido

muito antes do nono século simplesmente porque o Midrash cita um capítulo completo das

She’iltot por R. Ahai de Shabba, que viveu na metade do oitavo século”. (Cf. TOWSEND, 1989,

p.xii).

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Translate »