O Papa, os Judeus e os Segredos dos Arquivos

DAVID I. KERTZER 27 DE AGOSTO DE 2020

No início de 1953, a fotografia de uma freira proeminente sendo presa apareceu nas primeiras páginas dos jornais franceses. Nas semanas seguintes, outros clérigos franceses – monges e freiras – também seriam presos. A acusação: sequestro de dois jovens meninos judeus, Robert e Gérald Finaly, cujos pais morreram em um campo de extermínio nazista. O caso gerou intensa controvérsia pública. o mundo, típico de grande parte da mídia francesa, dedicou 178 artigos na primeira metade do ano à história dos irmãos – secretamente batizados sob a direção da mulher católica que cuidava deles – e as tentativas desesperadas de parentes sobreviventes de obter eles de volta. Foi uma luta que opôs a comunidade judaica francesa, tão recentemente devastada pelo Holocausto, contra a hierarquia católica romana do país, que insistia que os meninos agora eram católicos e não deveriam ser criados por judeus.

O que não era conhecido na época – e o que, de fato, não poderia ser conhecido até a abertura, no início deste ano, dos arquivos do Vaticano que cobriam o papado de Pio XII – é o papel central que o Vaticano e o próprio papa desempenharam o drama do sequestro. O Vaticano ajudou a direcionar os esforços das autoridades da Igreja local para resistir às decisões dos tribunais franceses e manter os meninos escondidos, ao mesmo tempo que esconde cuidadosamente o papel que Roma desempenha nos bastidores.

Há mais. No centro deste drama estava um oficial da Cúria do Vaticano que, como agora sabemos por outros documentos recentemente revelados, ajudou a persuadir o Papa Pio XII a não se manifestar em protesto depois que os alemães detiveram e deportaram os judeus de Roma em 1943 – “o judeus do papa ”, como os judeus em Roma eram freqüentemente chamados. O silêncio de Pio XII durante o Holocausto há muito gerou debates acirrados sobre a Igreja Católica Romana e os judeus. Os memorandos, impregnados de linguagem anti-semita, envolvem discussões do mais alto nível sobre se o papa deve apresentar um protesto formal contra as ações das autoridades nazistas em Roma. Enquanto isso, os conservadores na Igreja continuam pressionando pela canonização de Pio XII como santo.

Os documentos do Vaticano recentemente disponíveis, relatados aqui pela primeira vez, oferecem novos insights sobre questões maiores de como o Vaticano pensou e reagiu ao assassinato em massa de judeus da Europa e na mentalidade do Vaticano imediatamente após a guerra sobre o Holocausto, os judeus pessoas e o papel e prerrogativas da Igreja Católica Romana como instituição.

I. Um batismo secreto

Fritz Finaly, um médico, tinha 37 anos e sua esposa, Anni, 28 quando os alemães foram buscá-los. Tendo escapado da Áustria após sua anexação pela Alemanha nazista, em 1938, eles esperavam fugir para a América do Sul, mas como tantos judeus desesperados na época, eles acharam impossível encontrar passagem para lá. Estabelecendo-se em 1939 em uma pequena cidade nos arredores de Grenoble, no sudeste da França, eles fizeram o possível para ganhar a vida, embora a capacidade de Fritz de praticar a medicina tenha sido prejudicada pelas leis anti-semitas instaladas pelo governo colaboracionista de Vichy do marechal Philippe Pétain após o Conquista alemã da França em 1940. Em 1941, nasceu Robert, o primeiro filho dos Finalys, seguido por Gérald 15 meses depois. Apesar de uma campanha oficial crescente contra os judeus na França, os Finalys circuncidaram os dois meninos.

Em fevereiro de 1944, cientes da intensificação da captura de judeus pela Gestapo em sua área, os Finalys colocaram seus dois filhos pequenos em uma creche em uma cidade próxima. Eles confidenciaram o paradeiro dos meninos à amiga Marie Paupaert, pedindo-lhe que cuidasse das crianças no caso de sua própria prisão. Quatro dias depois, os alemães levaram Anni e Fritz. O casal foi transportado para Auschwitz, para nunca mais ser visto.

Aterrorizada com o que acontecera às amigas e temendo que os alemães viessem procurar as crianças, Maria levou Roberto e Gérald ao convento de Notre-Dame de Sion, em Grenoble, na esperança de que as freiras os escondessem. Considerando as crianças muito novas para cuidar, as irmãs as levaram para a creche municipal local, cuja diretora, Antonieta Brun, de meia-idade e solteira, concordou em cuidar delas.

Um pouco menos de um ano depois, no início de fevereiro de 1945, com a França agora sob controle dos Aliados, a irmã de Fritz Finaly, Marguerite, que havia encontrado refúgio na Nova Zelândia, escreveu ao prefeito da cidade perto de Grenoble onde Fritz havia vivido para saber o destino de seu irmão e sua família. Quando soube o que havia acontecido, ela imediatamente obteve autorizações de imigração para os dois meninos irem para a Nova Zelândia. Marguerite escreveu a Brun para agradecê-la por cuidar de seus sobrinhos e para pedir sua ajuda para providenciar sua viagem. Para consternação de Marguerite, a resposta de Brun foi evasiva e não deu nenhuma indicação de que ela ajudaria a devolver as crianças à família. Ao mesmo tempo, ocultando seu conhecimento da existência de algum parente de Finaly, Brun conseguiu que um juiz local a nomeasse a guardiã provisória dos meninos, agora com 3 e 4 anos.Archives Juives em 2004.)

No ano seguinte, a família fez outra tentativa de fazer com que Robert e Gérald voltassem, desta vez confrontando Brun pessoalmente. Além de Marguerite, Fritz tinha duas outras irmãs – uma, Hedwig Rosner, que morava em Israel e a outra, Louise, como Marguerite, que morava na Nova Zelândia. Fritz também teve um irmão mais velho, Richard, que permaneceu em Viena e morreu no Holocausto. Mas a esposa de Richard, Auguste, escapou em segurança na Grã-Bretanha. Auguste agora viajava para Grenoble e, na manhã de 25 de outubro de 1946, ela apareceu na porta de Brun. Tinha sido o desejo de Fritz, sua cunhada disse a Brun, que se alguma coisa acontecesse com ele e Anni, suas irmãs cuidassem dos meninos. Ela implorou a Brun para mostrar pena da família que havia sido dividida recentemente. Para o choque de Auguste, Brun ficou hostil. “A todas as minhas orações e apelos, ”A tia dos meninos lembrou mais tarde,“ ela teve apenas uma resposta impiedosa e não parava de repetir: ‘Os judeus não são gratos.’ Ela nunca devolveria os meninos, disse ela.

Por muitos meses mais, Marguerite tentou todos os meios que podia para resgatar seus sobrinhos. Ela enviou apelos ao prefeito local na França, ao ministro das Relações Exteriores da França e à Cruz Vermelha. A pedido de Marguerite, o bispo de Auckland enviou um pedido por meio do arcebispo de Westminster ao bispo de Grenoble, pedindo-lhe que examinasse o assunto. Em sua resposta, em julho de 1948, o bispo explicou que tivera uma longa conversa com Brun, mas ela permaneceu firme em sua recusa em entregar os filhos à família. Ele não fez nenhuma oferta de ajuda, talvez influenciado pelo fato de ter aprendido o que ninguém da família ainda sabia: quatro meses antes, Brun havia batizado os dois meninos, o que significa que, sob a lei canônica, eles agora seriam considerados pelo Igreja Católica Romana para ser católica, e sob a doutrina de longa data da Igreja não podiam ser devolvidos aos seus parentes judeus. Quando a família soube do batismo, eles pediram ajuda a um amigo judeu que morava em Grenoble, Moïse Keller. Frustradas com a dificuldade de lutar eficazmente por sua causa do outro lado do mundo, as irmãs na Nova Zelândia decidiram que seria melhor se a irmã de Fritz em Israel, Hedwig Rosner, assumisse a liderança.

Com a ajuda de Keller, a família Finaly levou o caso ao tribunal, mas nos anos seguintes Brun continuou se recusando a obedecer a uma série de ordens judiciais que concediam a Rosner a custódia de seus sobrinhos. Embora a imprensa católica posteriormente apresentasse Brun como uma mãe substituta para os meninos, ao longo desses anos os filhos viveram não com ela, mas em várias instituições católicas. Robert e Gérald mais tarde contaram que viam Brun apenas algumas vezes por ano, para breves visitas. Protegendo os meninos das autoridades, em 1952 as freiras que ajudavam Brun haviam combinado colocá-los sob nomes fictícios em uma escola católica em Marselha. Nessa época, os meninos tinham 10 e 11 anos.

Um documento recém-descoberto do Vaticano vindo de fontes da Igreja em Grenoble oferece uma visão sobre esses meses, observando que em julho de 1952 um tribunal local confirmou a tutela de Hedwig Rosner de seus sobrinhos e ordenou que Brun entregasse os meninos ao representante de Rosner, Moïse Keller. Novamente Brun recusou. O documento do Vaticano observa: “Sua atitude, motivada por sua consciência pelo fato de os meninos serem cristãos, é aprovada por Sua Excelência o Cardeal Gerlier” – o arcebispo de Lyon, arquidiocese da qual Grenoble faz parte. Também nessa época Madre Antonino, superiora do internato vinculado ao convento Notre-Dame de Sion, assumiu o papel principal de manter as crianças escondidas. Ela foi apoiada, de acordo com o relato fornecido por Grenoble ao papa, “pelas diretrizes de Sua Excelência o Cardeal Gerlier”.

Em novembro de 1952, o tribunal francês local decidiu suspender a ordem de Brun para devolver os meninos Finaly, enquanto se aguarda uma decisão do Tribunal de Apelações de Grenoble marcada para janeiro de 1953. Nessa época, o Cardeal Gerlier estava cada vez mais preocupado com a posição em que ele encontrou-se. A imprensa havia sabido da história. Agora, conforme escreveu ao papa em meados de janeiro de 1953, em uma carta encontrada nos arquivos recém-abertos do Vaticano, ele temia qual seria a reação da imprensa se o tribunal de apelações decidisse contra Brun e a Igreja: “A gravidade do problema resulta nomeadamente do facto de uma profunda agitação da opinião pública estar a ser criada e a crescer em torno deste assunto. A imprensa judaica, a imprensa anticristã e muitos dos principais jornais neutros estão se agarrando a essa questão. Os comunistas de Grenoble também estão se envolvendo. ”

O arcebispo então veio à questão-chave para a qual ele estava se voltando para o papa e o Santo Ofício em busca de orientação: “Nestas condições, alguém deveria ser aconselhado a recusar, aconteça o que acontecer, a devolver os filhos, que pertencem à Igreja seu batismo e cuja fé, com toda probabilidade, dificilmente seria capaz de resistir à influência do meio judaico se eles voltassem? ” O assunto, concluiu o arcebispo, é “extremamente urgente”.Getty / Paul Spella / The Atlantic

O Santo Ofício, uma das principais congregações que compõem a Cúria Romana, foi fundado como a Congregação da Inquisição Romana e Universal no século 16 como parte da batalha da Igreja contra a heresia. No início do século 20, quando era conhecido simplesmente como Santo Ofício, continuou a operar como o órgão do Vaticano responsável por garantir a adesão à doutrina oficial da Igreja. Ela mudaria de nome mais uma vez em 1965 e agora é conhecida como Congregação para a Doutrina da Fé. Por séculos, uma de suas funções foi garantir que as crianças judias que foram batizadas não caíssem no pecado mortal da apostasia, retornando à fé judaica. Embora fosse considerado ilícito em circunstâncias normais batizar uma criança contra a vontade dos pais, uma vez que a criança foi batizada, seja lícita ou ilicitamente,

Um século antes, outro caso semelhante havia chamado a atenção do mundo. Em 1858, o Santo Ofício e o papa da época, Pio IX, souberam que um menino judeu de 6 anos em Bolonha, Itália, havia sido batizado secretamente pela empregada cristã adolescente analfabeta da família, que disse temer que o menino fosse morrendo. Instruíram a polícia dos Estados Pontifícios, da qual Bolonha fazia parte, a apreender a criança, cujo nome era Edgardo Mortara. O menino foi enviado a uma instituição da Igreja em Roma, criada para a conversão de judeus e muçulmanos. Embora os judeus de todas as terras em que o papa governou como rei vivessem por muito tempo com medo desse destino para seus filhos, os tempos estavam mudando e o sequestro de Edgardo gerou um protesto mundial. Apesar da pressão, o papa se recusou a liberar a criança. Por fim, Edgardo Mortara tornou-se monge, viajando pela Europa e América enquanto pregava em várias línguas e tentava converter judeus. (Eu contei essa história em um livro de 1997,O sequestro de Edgardo Mortara , e cobriu outro aspecto do caso em um artigo da Atlantic de 2018 ). Chocantemente, a posição da Igreja sobre o batismo permanece inalterada até agora: “Um filho de pais católicos ou mesmo de pais não católicos é batizado licitamente em perigo da morte, mesmo contra a vontade dos pais. ”

II. “As Dificuldades Indiscutíveis Causadas pelo Judaísmo”

O caso do Finaly não era diferente do de Edgardo Mortara. Ambos envolviam o batismo de crianças judias sem conhecimento da família. Ambos envolviam a antiga doutrina da Igreja de que essas crianças, agora consideradas católicas, não devem ser criadas por famílias judias. No entanto, na Europa de meados do século 20, na esteira do Holocausto, muita coisa mudou. Quase dois terços dos judeus europeus haviam acabado de ser assassinados. Milhares de órfãos judeus estavam espalhados pelo continente. Muitos deles foram escondidos em conventos, mosteiros e igrejas, bem como com famílias católicas. Em junho de 1945, a maior organização francesa de ajuda infantil estimou que somente na França cerca de 1.200 crianças judias permaneciam em famílias ou instituições não judias. Achava-se que um número muito maior estava espalhado pela Polônia, Holanda e outros países.Artigo do Commonweal , “The Missing: The Holocaust, the Church, and Jewish Orphans.”)

Para os judeus da Europa que sobreviveram à guerra e para os judeus da América que assistiam, a ideia de que milhares dessas crianças órfãs poderiam ser perdidas para suas famílias e para o povo judeu provocava medo e ressentimento. A lembrança de casos como o de Edgardo Mortara instilara um sentimento especial de suspeita em relação a uma Igreja cujas próprias doutrinas impediam o retorno de qualquer criança batizada às suas famílias judias.

Para o papa Pio XII, que leu o apelo do cardeal Gerlier por orientação em janeiro de 1953, a questão não era nova. Em 21 de setembro de 1945, o secretário-geral do Congresso Judaico Mundial, Léon Kubowitzki, veio vê-lo para fazer dois pedidos. Primeiro, Kubowitzki pediu ao papa que emitisse uma declaração pública denunciando o anti-semitismo. “Vamos considerar isso”, respondeu o papa, embora, no final, não tenha feito tal declaração. O líder judeu então atendeu ao seu segundo pedido, pedindo a ajuda do papa para garantir que os judeus órfãos do Holocausto que viviam em países católicos fossem devolvidos à comunidade judaica. “Vamos dar toda a nossa atenção a isso”, disse o papa, pedindo que seu visitante lhe envie “algumas estatísticas” sobre o assunto.

Vários meses depois, em 10 de março de 1946, o papa recebeu outro ilustre visitante judeu, o rabino-chefe da Palestina, nascido na Polônia e barbudo, Isaac Herzog. A visita de Herzog veio como parte de uma missão para ajudar a localizar os órfãos judeus desaparecidos do Holocausto. Seria de grande ajuda, disse o rabino, se o papa fizesse um apelo público aos padres da Europa, pedindo-lhes que revelassem a localização das crianças judias órfãs que permaneceram nas mãos de famílias e instituições católicas. Expressando simpatia pelo desastre que se abateu sobre os judeus da Europa, o papa disse apenas que faria com que o assunto fosse examinado e pediu ao rabino que lhe fornecesse um memorando detalhado sobre o assunto.

O que o papa fez a seguir não foi conhecido, até a abertura dos arquivos do Vaticano neste ano. Herzog voltou ao Vaticano em 12 de março com o memorando que o papa havia solicitado e foi encaminhado à Secretaria de Estado. Após a morte, em 1944, de seu primeiro secretário de Estado, o cardeal Luigi Maglione, Pio XII deu o passo incomum de não nomear um sucessor, ao invés disso, dividiu o trabalho entre seus dois principais deputados, Domenico Tardini e Giovanni Battista Montini. Foi Montini – o futuro Papa Paulo VI – a quem o Papa mais tarde confiaria a gestão do caso Finaly. Aos olhos de Montini e do papa, havia um homem considerado o especialista da Secretaria de Estado em todas as questões judaicas. Era Monsenhor Angelo Dell’Acqua, e foi Dell’Acqua que o rabino foi instruído a se encontrar.

Uma visão das atitudes de Dell’Acqua em relação aos judeus está agora disponível para nós graças aos documentos dos arquivos. O mais revelador é um notável par de memorandos escritos enquanto o papa considerava se deveria tomar alguma atitude – ou fazer qualquer declaração – após uma busca da Gestapo, em 16 de outubro de 1943, de mil judeus de Roma para deportação para Auschwitz. Naquele setembro, grande parte da Itália estava sob controle alemão, com o auxílio de um governo fantoche liderado por Mussolini estabelecido no norte. O cerco do antigo gueto romano pelos alemães e sua destruição de judeus aterrorizados por horas foram traumáticos para os romanos e representaram um problema para o papa. Embora ele tivesse uma visão obscura de Adolf Hitler, como discuto em meu livro O Papa e Mussolini, ele também havia se esforçado para não irritá-lo e estava ansioso para manter relações cordiais com os alemães que ocupavam Roma e cuja boa vontade ajudava a manter a Cidade do Vaticano ilesa. Enquanto isso, mais de mil judeus – principalmente mulheres, crianças e velhos – estavam detidos por dois dias em um complexo de edifícios ao lado do Vaticano, aguardando a deportação. O papa estava bem ciente de que deixar de falar abertamente poderia ser visto como abdicação de sua responsabilidade moral.

No final, ele julgou imprudente levantar a voz. Os judeus foram conduzidos a um trem para Auschwitz – e para a morte de todos, exceto alguns deles. No rescaldo desse evento traumático, e em meio a uma perseguição contínua de judeus por toda a Itália controlada pela Alemanha, o antigo emissário jesuíta do papa ao regime fascista italiano, padre Pietro Tacchi Venturi, propôs que algum tipo de protesto no Vaticano fosse feito. O que ele sugeriu foi apresentar um relatório às autoridades alemãs – no contexto de uma reunião privada, não divulgado como um documento público – pedindo-lhes que pusessem fim à sua campanha homicida contra os judeus italianos. Dois meses após a deportação dos judeus de Roma, ele chegou a escrever um esboço do que a declaração oficial deveria dizer. O texto que ele escreveu, recém-descoberto nos arquivos e reimpresso literalmente na tradução no final deste artigo, foi intitulado “Nota verbal sobre a situação judaica na Itália.”

O fundamento do apelo estava longe de ser pró-judeu. A proposta de declaração do Vaticano argumentava que as leis raciais de Mussolini, instituídas cinco anos antes, haviam mantido os judeus em seu devido lugar com sucesso e, como resultado, não havia necessidade de quaisquer medidas violentas a serem tomadas contra eles. Os judeus da Itália, argumentou Tacchi Venturi, não apresentavam os motivos para sérias preocupações do governo que claramente apresentavam em outros lugares. Nem haviam gerado a mesma hostilidade da porção majoritária “ariana” da população que os judeus geraram em outros países. Em parte porque havia poucos judeus italianos e em parte porque muitos deles haviam se casado com cristãos. Novas leis que confinam os judeus da Itália em campos de concentração, insistiu o jesuíta, ofenderam o “bom senso do povo italiano, que acreditava que “a lei racial sancionada pelo governo fascista contra os judeus há cinco anos é suficiente para conter a minúscula minoria judia dentro de seus próprios limites.”

Tacchi Venturi escreveu: “Por essas razões, nutre-se a firme fé de que o governo alemão desejará desistir da deportação dos judeus, seja ela feita em massa, como aconteceu em outubro passado, ou aquelas feitas por indivíduos solteiros”. Ele voltou ao seu argumento anterior:

Na Itália, com a citada lei racial de 1938, observada com rigor, já foram atendidos os incontestáveis ​​inconvenientes causados ​​pelo judaísmo para dominar ou gozar de grande crédito em uma nação. Mas, como atualmente isso não acontece na Itália, não se entende por que e qual a necessidade de voltar a uma questão que o Governo de Mussolini considerou já resolvida.

O papa poderia permanecer em silêncio se a deportação contínua dos judeus da Itália para os campos de extermínio continuasse? Ao considerar esta questão, a mensagem proposta às autoridades alemãs – novamente, para ser entregue apenas verbalmente – acabou levantando a possibilidade de que o Vaticano possa falar publicamente em algum ponto: “Se alguém renovar as medidas duras contra a minoria judaica mínima, que inclui um número notável de membros da religião católica ”- isto é, judeus que se converteram ao catolicismo, mas ainda eram considerados judeus pelas autoridades alemãs e italianas – “como a Igreja será capaz de permanecer em silêncio e não lamentar em voz alta diante o mundo inteiro o destino de homens e mulheres inocentes de qualquer crime contra os quais não possa, sem deixar de cumprir sua missão divina, negar sua compaixão e todo seu cuidado maternal? ”

Ao receber o protesto proposto, o cauteloso Pio XII pediu conselho a Dell’Acqua. Dell’Acqua respondeu rapidamente, enviando ao papa uma longa crítica (também descoberta recentemente, e apresentada literalmente na tradução no final deste artigo) dois dias depois, desaconselhando o uso da declaração verbal de Tacchi Venturi, até porque, na opinião de Dell’Acqua , foi abertamente simpático aos judeus. “A perseguição aos judeus que a Santa Sé deplora com justiça é uma coisa”, Dell’Acqua aconselhou o papa, “especialmente quando é realizada com certos métodos, e outra coisa é ter cuidado com a influência dos judeus: este pode ser bastante oportuno. ” Na verdade, o jornal jesuíta supervisionado pelo Vaticano, La Civiltà Cattolica, vinha alertando repetidamente sobre a necessidade de leis governamentais para restringir os direitos dos judeus, a fim de proteger a sociedade cristã de suas alegadas depredações. Nem, pensou o monsenhor, seria sábio para o Vaticano dizer, como Tacchi Venturi tinha proposto, que não existia nenhum “ambiente ariano” na Itália que fosse “decididamente hostil ao meio judaico”. Afinal, escreveu Dell’Acqua, “não faltaram na história de Roma as medidas adotadas pelos pontífices para limitar a influência dos judeus”. Ele também apelou para a ânsia do papa de não antagonizar os alemães. “Na Nota, os maus-tratos a que os judeus estão sendo supostamente sujeitos pelas autoridades alemãs são destacados. Isso pode até ser verdade, mas é o caso de dizê-lo tão abertamente em uma nota? ” Foi melhor, ele concluiu, que toda a ideia de uma apresentação formal do Vaticano seja abandonada. Melhor, ele aconselhou, falar em termos mais gerais ao embaixador alemão na Santa Sé, “recomendando-lhe que a já grave situação dos judeus não se agravasse mais”.

Dell’Acqua, que, durante o curso inicial do caso Finaly, seria ele próprio elevado ao posto de sostituto da Secretaria de Estado, um dos cargos mais prestigiosos do Vaticano, e que mais tarde se tornaria cardeal vigário de Roma, terminou seu memorando ao papa com conselho para os judeus que faziam tanto barulho sobre os perigos que enfrentavam e os horrores que já haviam experimentado: “Deve-se também informar ao Signori judeu que eles deveriam falar um pouco menos e agir com grande prudência. ”

Foi esse prelado que se encontrou com Isaac Herzog, o rabino-chefe da Palestina, pouco mais de dois anos depois. Em um longo memorando agora encontrado nos arquivos do Vaticano, Dell’Acqua falou sobre o encontro e revisou os argumentos do rabino para que o papa ajudasse a devolver as crianças judias. “As crianças em questão”, disse o rabino, “são em grande parte órfãs (seus pais foram mortos pelos nazistas), encontradas especialmente na Polônia; outros, no entanto, também estão na Bélgica, Holanda e França ”. O rabino, relatou Dell’Acqua, pediu ao Santo Padre – ou, se não ao pontífice pessoalmente, ao Vaticano – que fizesse um apelo público para a libertação dos meninos. “Isso”, disse o rabino a ele, “facilitaria imensamente nossa tarefa.”

Depois de relatar o pedido do rabino, Dell’Acqua ofereceu seu conselho sobre como o papa deveria responder ao que chamou de “problema bastante delicado”. Ele começou descartando qualquer declaração pública do papa ou do Vaticano. “Nem sugiro responder com um documento da Secretaria de Estado dirigido ao Rabino Chefe, porque certamente seria explorado pela propaganda judaica.” Em vez disso, o melhor caminho, aconselhou Dell’Acqua, era simplesmente instruir o delegado papal em Jerusalém a oferecer uma resposta verbal genérica, dizendo que seria necessário examinar cada caso individualmente. Nada deve ser escrito. Isso o papa ordenou que fosse feito.

III. “Aconselhe a Mulher a Resistir”

Em 17 de janeiro de 1953, Pio XII enviou ao Santo Ofício o pedido urgente do Cardeal Gerlier de orientação sobre o caso de Finaly. Embora o papa fosse o chefe titular da Congregação do Santo Ofício, os cardeais que a compunham, junto com o quadro de consultores teológicos que os assessoravam, se reuniam separadamente e normalmente enviavam suas recomendações ao papa por meio de monsenhor Montini. Uma nota do Santo Ofício descoberta nos arquivos, presumivelmente escrita por um dos consultores, ofereceu alguns antecedentes históricos: “De acordo com a prática do Santo Ofício até a supressão dos Estados Papais em 1870, crianças judias que se batizavam sem a permissão de seus pais não foram devolvidas. ” Dado o sentido de urgência transmitido pelo Cardeal Gerlier, o Santo Ofício retomou o assunto de Finaly imediatamente. Como era de costume, os cardeais se voltaram primeiro para seu grupo de consultores. A Igreja, aconselharam os consultores, deve envidar todos os esforços possíveis para impedir que os filhos de Finaly sejam devolvidos à sua família judia. Se o tribunal francês decidir contra Antoinette Brun e conceder a guarda da tia dos meninos, “deve-se atrasar sua execução o máximo possível, apelando para o Tribunal de Cassação e usando todos os outros meios legais”. Se a decisão final do tribunal for contra a Igreja, os consultores escreveram, “aconselhe a mulher a resistir … a menos que a mulher sofra sérios danos pessoais e alguém tema maiores danos para a Igreja”.

O cardeal secretário do Santo Ofício escreveu então diretamente, em francês, ao cardeal Gerlier, dando a decisão do Santo Ofício:

Os perigos para sua fé, caso sejam devolvidos a esta tia judia, requerem uma consideração cuidadosa das seguintes consequências:

  1. por direito divino, essas crianças puderam escolher, e escolheram a religião que lhes assegura a saúde da alma;
  2. o direito canônico reconhece às crianças que atingiram a idade da razão [7 anos] o direito de decidir seu futuro religioso;
  3. a Igreja tem o dever inalienável de defender a livre escolha das crianças que, pelo baptismo, lhe pertencem.

O que isso significava, aconselhou o cardeal secretário do Santo Ofício a Gerlier, foi explicado no parecer que os consultores ofereceram, que ele anexou.

Enquanto isso, na França, Madre Antonino, com medo de que a decisão do tribunal fosse contra eles, fez com que sua própria irmã levasse os meninos de Finaly a um colégio interno católico a mais de 500 quilômetros de Grenoble, em Bayonne, perto da fronteira espanhola, e os registrasse sob nomes falsos. Seus medos provaram ser prescientes. Em 29 de janeiro de 1953, o tribunal ordenou que Brun fosse presa por não ter devolvido os meninos. Brun permaneceria na prisão em Grenoble pelas próximas seis semanas. Informada de que a polícia agora estava procurando Robert e Gérald e com medo de que eles não estivessem seguros enquanto permanecessem na França, Madre Antonine dirigiu-se a Bayonne para discutir o assunto com o bispo local. Dois dias depois dessa visita, os meninos desapareceram. Pouco depois, Madre Antonino, acusada de sequestro, foi ela mesma presa. A fotografia de sua prisão e o mistério do que acontecera aos meninos de Finaly deram início ao que seriam muitos meses de intenso interesse público no caso, na França e além. Nas semanas seguintes, mais monges e freiras seriam presos e encarcerados, acusados ​​de participar de uma ação clerical que levou os meninos através da fronteira espanhola até o coração do país basco espanhol.

Em 24 de fevereiro, na sequência da decisão do tribunal francês e da prisão de Antonieta Brun e Madre Antonina, o Santo Ofício informou ao papa que havia enviado ao cardeal Gerlier uma nova carta com a diretriz “para adiar o máximo possível, que até quando outros motivos mais sérios podem aconselhar uma linha de conduta diferente.” O Santo Ofício, usando um dos temas anti-semitas de rotina dentro da Igreja Católica Romana por muitos anos, informou ao papa que “os judeus, ligados aos maçons e socialistas, organizaram uma campanha internacional da imprensa” em torno do caso. Diante dessa campanha, reclamou que a reação entre os católicos da França foi terrivelmente fraca, com apenas dois dos periódicos católicos “levantando energicamente sua voz em defesa dos direitos da Igreja”.

Desde as prisões, o cardeal Gerlier concordou em negociações com Jacob Kaplan, rabino-chefe de Paris, para encontrar uma saída da crise. Em seu relatório de 24 de fevereiro, o Santo Ofício acrescentou seu próprio apoio cauteloso à negociação. Dada a situação em que se encontravam, com a Igreja sendo espancada pela imprensa e um número crescente de clérigos católicos presos, algo tinha que ser feito, aconselharam os cardeais, para encerrar o caso. Ao mesmo tempo, insistiu o Santo Ofício, qualquer acordo que exigisse o retorno dos meninos à França teria que cumprir duas condições. Primeira, Robert e Gérald deveriam ser colocados em uma instituição educacional “neutra”, “de forma a não atrapalhar a prática da religião católica dos meninos”. Em segundo lugar, garantias deveriam ser dadas de que Brun, Madre Antonino, e todos os outros acusados ​​de sequestro serão absolvidos das acusações ou anistiados. O Santo Ofício também sugeriu que Monsenhor Montini falasse diretamente com o chanceler francês, que por acaso estava visitando Roma, sobre o caso, e pediu a Montini que enviasse instruções ao cardeal Gerlier por meio do núncio em Paris. Por fim, avisou que em qualquer ação que Gerlier tomasse, nenhuma menção fosse feita ao papel desempenhado nos bastidores pelo Vaticano, “para não comprometer a Santa Sé em uma disputa tão delicada e sensacional”.

No dia seguinte, Montini escreveu de volta ao cardeal secretário do Santo Ofício, informando-o de que o papa havia aceitado seu conselho. Montini informou que já havia falado com o chanceler francês e enviado ao núncio instruções para chegar a um acordo, desde que atendesse aos requisitos do Santo Ofício. Após sua conversa com o papa, Montini acrescentou uma cláusula à linguagem proposta pelo Santo Ofício para deixar ainda mais claro que as crianças devem ser livres para continuar a praticar sua religião católica. O acordo, disse ele ao núncio, só pôde ser alcançado “depois de ter tomado as precauções oportunas para garantir que eles [os meninos] não fossem levados a se tornarem judeus novamente”. Montini acrescentou uma instrução final em seu telegrama codificado ao núncio: “ E ‘ bene che SO non apparisca ”(“ É bom que o Santo Ofício não seja visível ”).

O Vaticano estava entre os núncios em Paris na época, como o papa notificou recentemente o núncio anterior, Angelo Roncalli – mais tarde para sucedê-lo, como papa João XXIII – que ele estava sendo nomeado cardeal e se tornaria patriarca de Veneza. Assim que o núncio interino recebeu as instruções de Montini, ele foi visitado pelo embaixador de Israel na França. O embaixador veio em nome de seu governo para pedir ao papa que fizesse um apelo público a todos os bons católicos para ajudar a encontrar os meninos de Finaly e se dissociar dos monges e freiras que os haviam escondido. “Observei”, escreveu o emissário papal ao relatar a conversa a Montini, “que ele ousava pedir demais. A Santa Sé pode apoiar um acordo, mas só se forem dadas certas garantias a respeito da fé dos mais pequenos”.

Nos dias seguintes, houve intensas negociações entre o sacerdote nomeado para representar o cardeal Gerlier e a Igreja de um lado e o rabino Kaplan do outro. Recebendo um esboço do acordo proposto no início de março, o papa chamou seu especialista em assuntos judaicos, Dell’Acqua, para preparar uma análise. O caso Finaly, Dell’Acqua aconselhou, havia desencadeado uma feroz campanha da imprensa contra as autoridades da Igreja na França e, portanto, encontrar uma maneira de encerrá-lo era crucial. No entanto, concluiu ele, o acordo proposto não oferecia as garantias que a Igreja buscava. “Com toda a probabilidade”, escreveu Dell’Acqua, “o processo judicial em curso terminará em favor da tese judaica e os dois meninos acabarão nas mãos dos judeus que, com obstinação cada vez maior, forçarão uma Educação ‘judaica’ sobre eles,

Qualquer acordo, pensava o monsenhor, deveria assegurar aos meninos a possibilidade de continuar sua educação católica. “Se, então, os judeus não cumprirem o compromisso que assumiram” – aqui Dell’Acqua acrescentou entre parênteses, “o que é provável” – “a culpa então será deles e a Igreja sempre poderá, com razão, cobrar eles pela hipocrisia. ”

O papa também estava descontente com o acordo que os negociadores haviam alcançado na França. O cardeal Alfredo Ottaviani, assessor do Santo Ofício, havia trazido o texto em meados de março para mostrar ao pontífice. “Uma aprovação positiva não pode ser dada”, diz a nota manuscrita do cardeal sobre o que o papa lhe disse, com o selo roxo marcando uma decisão papal oficial. O acordo, pensou o papa, não oferecia garantias suficientes de que os meninos não ficariam sob a influência judaica e voltariam à religião de seus pais. Dito isso, e reconhecendo o desastre de relações públicas que a Igreja enfrentaria se nenhum acordo fosse alcançado, o papa procurou colocar a responsabilidade pelo negócio sobre o cardeal Gerlier.

Como resultado dessas discussões com o papa, em 16 de março Montini escreveu novamente ao núncio interino em Paris. Depois de apontar o descontentamento da Santa Sé com a falta de garantias suficientes previstas no projeto de acordo, Montini acrescentou: “Se, porém, o cardeal, considerando as circunstâncias, acredita que pode assumir a responsabilidade pela execução do acordo, o Santo O Office não se opõe e dará o apoio prometido para encontrar os meninos.”

Ao mesmo tempo, o chefe do ramo liberal do judaísmo na França, o rabino André Zaoui, veio a Roma para pleitear em nome da família Finaly. Embora presumivelmente estivesse ansioso para ver o papa, foi com Angelo Dell’Acqua que ele se encontrou, encontro que o monsenhor relatou em um memorando para Pio XII. O Vaticano, o rabino havia dito a Dell’Acqua, estaria realizando um ato de “caridade” para ajudar a devolver Robert e Gérald a seus parentes. “Eu respondi”, informou o monsenhor ao papa, “que não se tratava de uma questão de caridade, mas de uma questão de princípio e, portanto, de justiça. Os dois meninos, sendo católicos, têm alguns direitos. A Igreja Católica não só tem direitos com respeito a eles, mas deveres que deve cumprir ”. Ao se levantar para sair, o rabino respondeu que a comunidade judaica também tinha direitos e responsabilidades. “Não, no entanto”, disse-lhe Dell’Acqua, “do mesmo tipo que os da Igreja Católica.”

Depois de ouvir do cardeal Gerlier que não poderia obter mais concessões do lado judeu e que prolongar a ocultação dos meninos de Finaly seria desastroso para a Igreja Católica na França, o papa relutantemente – a expressão latina aegre é usada no registro oficial de a decisão do papa – deu sua aprovação ao acordo. Em 23 de março, Montini enviou um telegrama ao núncio em Madri informando-o da decisão e aconselhando o clero a ajudar a encontrar e devolver as crianças de Finaly.

IV. Um voo para Tel Aviv

As esperanças de que o acordo levasse ao rápido retorno dos meninos logo foram frustradas. Embora o núncio em Madri se reunisse com o cardeal primaz da Espanha para informá-lo do desejo do Vaticano de que os meninos fossem devolvidos, parecia que nem o clero espanhol nem, por suas próprias razões, o governo espanhol estava com pressa para que fossem encontrados . Os monges espanhóis que escondiam os meninos, escreveu o cardeal Gerlier a Roma, ainda afirmavam que o papa não estava ansioso para vê-los devolvidos. Em abril, isso gerou outro telegrama ao núncio em Madri: “O cardeal Gerlier relata que as autoridades religiosas espanholas locais onde os irmãos Finaly foram encontrados declararam que as garantias contidas no acordo de Gerlier são insuficientes e não concordariam com o retorno de as crianças sem ordem da Santa Sé. Em uma nota que acompanha o papa, Dell’Acqua destacou a “importância de que a Santa Sé não apareça diretamente. É preciso estar atento não só aos efeitos na França, mas também nos demais países católicos e não católicos. Se de alguma forma parecia que os meninos estavam sendo devolvidos devido à intervenção direta da Santa Sé, isso poderia, pelo menos em alguns países, ser julgado desfavoravelmente ”. Em outras palavras, os tradicionalistas da Igreja familiarizados com a doutrina católica podem ficar descontentes com o papa se ele for visto pedindo o retorno dos meninos à sua família judia. 

Em um esforço para desviar a atenção de qualquer responsabilidade da Igreja pelo contínuo ocultamento das crianças de Finaly na Espanha, Dell’Acqua, com a aprovação do papa, redigiu um artigo para ser publicado em um jornal suíço. Não eram os aspectos “religiosos” do caso que impediam o retorno dos meninos, afirmava, mas questões políticas, “na medida em que os dois meninos podem se considerar refugiados que invocaram o direito de exílio”. No dia 28 de abril, Montini enviou o texto do artigo ao núncio em Berna, com a instrução de que ele “examinasse como fazer para que a imprensa daquela Nação publique as notícias contidas na Nota, obviamente sem que saibam sua origem”.

Mesmo assim, os meninos não foram encontrados. Como parte do acordo que ele alcançou com o cardeal Gerlier em março, o rabino Kaplan permaneceu em silêncio, mas no início de junho, sob crescente pressão da comunidade judaica francesa, ele convocou uma entrevista coletiva. Altos funcionários da Igreja, acusou ele, nunca condenaram publicamente o batismo das crianças de Finaly e a Igreja não tomou nenhuma providência para descobrir seu paradeiro dos padres e freiras que sabiam onde eles estavam. Ele havia recebido a promessa de seu retorno, disse o rabino, mas agora, quase três meses depois, o clero católico ainda os escondia.28 de junho de 1953: Gérald e Robert Finaly, de 10 e 12 anos, na aldeia de Saint-Léonard, França, depois de chegar da Espanha, onde haviam se escondido (Keystone-France / Getty)

“A atitude das autoridades espanholas”, reclamou o embaixador francês ao Vaticano, como revela um registro recente da conversa do Vaticano, “permanece menos do que clara. Embora o Ministro das Relações Exteriores pareça favorável à solução desejada, seus subordinados apresentam vários pretextos para evitar a conclusão ”. De fato, a desculpa que as autoridades espanholas repetidamente deram para sua inação foi que eram monges bascos espanhóis que estavam escondendo os meninos de Finaly e eles não queriam inflamar ainda mais as relações já tensas do governo com aquela região. Em 22 de junho, o embaixador francês deu sequência a um memorando que entregou a Montini, que Montini, por sua vez, rapidamente encaminhou ao núncio em Madrid:

Quatro dias depois, um embaixador francês muito aliviado ligou para a Secretaria de Estado e entrou em contato com Dell’Acqua: Os meninos do Finaly tinham acabado de ser entregues em San Sebastián a Germaine Ribière, a mulher que estava viajando de um lado para o outro na fronteira em O nome do cardeal Gerlier, tentando encontrá-los. Os meninos já haviam cruzado a fronteira com a França.

Conforme a saga se aproximava de seu capítulo final, a batalha por Robert e Gérald Finaly assumia uma nova aparência. Do ponto de vista do Vaticano, embora tenha concordado com o retorno das crianças, não concordou em que abandonassem sua identidade católica. Reagindo às notícias da imprensa de que a tia dos meninos, que havia deixado o marido e os próprios filhos em Israel durante os meses em que esteve na França, planejava levá-los de volta com ela, Pio XII autorizou a divulgação de uma notícia pelo Santo Ofício em um jornal católico romano. Um jornalista do L’Osservatore Romano do Vaticano foi encarregado de redigir o texto, e o texto final foi editado pelo Santo Ofício.

O artigo, publicado em 9 de julho, explicava que qualquer alegação de que o acordo alcançado entre o cardeal Gerlier e a família Finaly permitiria levar os meninos para Israel e se tornarem judeus estava errada. “A vontade dos dois meninos, que declararam o desejo de permanecer católicos, é protegida pelo acordo. Assim, eles têm todo o direito de professar e praticar o catolicismo, sem serem expostos a qualquer pressão direta ou indireta … É claro que a perspectiva da ‘reeducação’ dos dois meninos ao judaísmo estaria em contraste com essas premissas ”. O artigo então atacou a comunidade judaica francesa. Embora as autoridades francesas da Igreja tenham cumprido sua palavra, afirma o artigo, a imprensa nas últimas semanas foi repleta de comentários sarcásticos sobre o tempo que a Igreja levou para localizar os meninos.

Em 19 de julho, monsenhor Montini fez o acompanhamento com uma carta ao novo núncio em Paris. “Alguns jornais”, escreveu ele, “relatam que os irmãos Finaly em breve serão levados a Israel para serem reeducados no judaísmo. Isso contrasta com os acordos que o cardeal Gerlier concluiu há algum tempo”. Ele instruiu o núncio a chamar a atenção do cardeal para este fato e a relatar sua resposta.

Seis dias depois, Hedwig Rosner, tendo recebido a tutela legal de seus dois sobrinhos, embarcou em um avião com Robert e Gérald e voou para Tel Aviv.

O que o papa deve fazer agora? Dell’Acqua ofereceu uma sugestão. A imprensa judaica, escreveu ele em um memorando para o papa em 29 de julho, estava classificando o resultado do caso Finaly como uma vitória. “Eu me pergunto se não é o caso”, Dell’Acqua propôs, “ter um artigo preparado para o La Civiltà Cattolica para desmascarar os judeus e acusá-los de deslealdade.” (Este documento está incluído no apêndice.) O papa aparentemente achou que valia a pena considerar isso, pelo menos de alguma forma; dois dias depois, Montini preparou uma mensagem ao núncio em Paris, reclamando do cardeal Gerlier e pedindo sua opinião sobre se seguir em frente com o artigo proposto seria uma boa ideia. A conclusão do caso Finaly, escreveu Montini, “infligiu um sério golpe à direita da Igreja e também ao seu prestígio no mundo”. Reunindo-se alguns dias depois, o Santo Ofício apoiou a ideia de que alguma ação pública era necessária, aconselhando o papa a instruir o cardeal Gerlier a apresentar um protesto oficial.

No entanto, no final, seguindo o conselho do novo núncio em Paris de que um artigo como o que estava sendo proposto seria amplamente lido como uma condenação à ação do episcopado francês, e especialmente do cardeal Gerlier, o plano foi abandonado. Montini, no entanto, enviou um protesto por escrito no final de setembro ao governo francês por meio de seu embaixador no Vaticano. A Santa Sé, escreveu Montini, só poderia “expressar seu grande pesar pela solução que foi dada a este caso, sem considerar o interesse religioso dos dois jovens batizados. Expressa também o temor de que a educação católica destes meninos venha a ser comprometida, ao contrário do espírito de um acordo firmado pelos representantes da família e das autoridades eclesiásticas, e ao qual estas últimas se mantiveram fiéis ”.

V. Mais por vir

Anni e Fritz Finaly haviam chegado alguns meses depois da libertação da França pelos Aliados, quando a Gestapo os apreendeu e os mandou para a morte. Embora o perigo para os judeus da França logo passasse, os horrores do Holocausto demoraram a levar a Igreja Católica Romana a considerar sua própria história de anti-semitismo ou o papel que desempenhou em tornar possível o assassinato em massa de judeus europeus pelos nazistas. O Papa Pio XII ficou sem dúvida horrorizado com a carnificina, mas como papa ou, antes, como secretário de Estado do Vaticano, ele nunca se queixou das duras medidas tomadas contra os judeus à medida que uma nação católica após outra introduzia leis repressivas (Itália em 1938, por exemplo, e a França em 1940). A única reclamação que Pio XII fez sobre as leis anti-semitas da Itália foi a injustiça de aplicá-las aos judeus que se converteram ao catolicismo. Que possa ter havido uma ligação entre os séculos de demonização dos judeus pela Igreja e a capacidade das pessoas que se consideravam católicas de assassinar judeus parece nunca ter passado por sua mente. O fato de o regime de Mussolini depender fortemente de materiais da Igreja – seus jornais e revistas cheios de referências às medidas que os papas haviam tomado ao longo dos séculos para proteger a sociedade cristã “saudável” da ameaça representada pelos judeus – para justificar suas leis anti-semitas levou a pouco repensar a doutrina ou prática da Igreja sob seu papado.

Entre as revelações dos documentos recentemente disponíveis está o quão pouco impacto o Holocausto teve na visão do Vaticano de seu curso de ação adequado no caso dos meninos de Finaly. Embora os documentos mostrem alusões ocasionais do papa e daqueles ao seu redor ao sofrimento recentemente vivido pelo povo judeu, essas expressões de simpatia não se traduziram em nenhuma preocupação especial pelos desejos dos pais de Robert e Gérald Finaly ou pelos sobreviventes da família Finaly que procurou acolher os meninos. O que fica claro na leitura dos registros do Vaticano é que as prerrogativas da Igreja Católica Romana importavam acima de tudo: que, de acordo com a doutrina da Igreja, o batismo, mesmo contra a vontade de uma família, dava à Igreja o direito para reivindicar as crianças. Foi isso que motivou os monges e freiras que transportavam os meninos, sob nomes fictícios, de um esconderijo para outro.

O compromisso do Papa Pio XII e dos homens da Cúria de impedir que a família Finaly ganhasse a custódia dos filhos foi temperado apenas por preocupações com a má imprensa, uma preocupação constantemente destacada pelo Cardeal Gerlier em seus apelos cada vez mais urgentes a Roma. Ele temia especialmente a má imprensa porque ela estava, como repetidamente lembrou ao papa e ao Santo Ofício ao longo desses meses, enfraquecendo a posição política da Igreja na França e seus esforços para fazer com que o governo francês do pós-guerra desse reconhecimento estatal às escolas paroquiais católicas.

Nenhum aspecto da atitude do papa em relação aos judeus recebeu tanta atenção quanto a controvérsia sobre seu silêncio durante a guerra – seu fracasso em denunciar os nazistas e seus cúmplices pelo massacre sistemático dos judeus da Europa. Em um esforço para responder às críticas, foi o próprio Montini quem mais tarde, como Papa Paulo VI, encarregou um grupo de estudiosos jesuítas de examinar os arquivos do Vaticano – que permaneceram fechados para outros estudiosos até agora – para trazer à luz todos os documentos relevantes sobre as ações do papa e do secretário de Estado do Vaticano enquanto consideravam como responder aos horrores que se desenrolavam na Segunda Guerra Mundial. Isso resultou, de 1965 a 1981, na publicação de 12 volumes repletos de milhares de documentos. Volume 9, dedicado à maneira como a Santa Sé procurou ajudar as vítimas da guerra no ano de 1943, contém 492 documentos.

À luz da publicação deste enorme tesouro de documentos, foi feita a alegação de que nada muito novo será aprendido sobre o silêncio do papa durante o Holocausto a partir da recente abertura dos arquivos do Vaticano. Mas os estudiosos não precisam se preocupar com a falta de material novo. Nem o protesto tépido e anti-semita proposto por Pietro Tacchi Venturi contra a campanha assassina dos alemães contra os judeus na Itália nem o memorando de Angelo Dell’Acqua em resposta foram incluídos nessa publicação massiva. O único documento aí publicado sobre o episódio é o comentário algo enigmático do Cardeal Maglione em resposta à proposta de Tacchi Venturi: “Não é o caso de enviar a nota do Padre Tacchi Venturi (que de qualquer forma teria de ser refeita) nem mesmo uma nota mais delicada por nós. ” Dell’Acqua não é mencionado de forma alguma. Uma nota de rodapé dos editores do volume do Vaticano não deixa claro o que Tacchi Venturi estava propondo e apenas cita as passagens de seu memorando que ofereciam uma imagem positiva dos judeus e da falta de sentimento antijudaico na Itália. As novas descobertas fornecem amplos fundamentos para acreditar que a história completa de Pio XII e os judeus ainda precisa ser escrita.

Só depois da morte de Pio XII é que as atitudes da Igreja em relação aos judeus mudariam de maneira significativa, graças a seu sucessor João XXIII, que convocou um Concílio Vaticano dedicado em parte a erradicar os vestígios da doutrina medieval da Igreja sobre os judeus. O culminar desses esforços veio somente após a morte do Papa João XXIII; em 1965, o Concílio Vaticano II emitiu a notável declaração Nostra Aetate . Revertendo a doutrina da Igreja de longa data, exortou os fiéis a tratar os judeus e sua religião como dignos de respeito.

Embora eu não saiba que alguém tenha feito a ligação, pode não ser muito rebuscado suspeitar que o caso Finaly desempenhou um papel nessa mudança histórica e, com ela, o abandono da vilificação secular dos judeus pela Igreja . O elo é o sucessor de João XXIII, Paulo VI, que presidiu o conselho quando este considerou e depois aprovou sua nova doutrina revolucionária. Este era o mesmo homem que – sob seu nome de batismo, Giovanni Montini – passara meses administrando as negociações do Vaticano no caso Finaly doze anos antes.

Se houve alguma distância entre Pio XII e Montini nas ações tomadas no caso Finaly, não encontrei nenhum vestígio disso nos arquivos do Vaticano. Os laços de Montini com Eugenio Pacelli, o futuro Pio XII, dificilmente poderiam ser mais fortes. Ele havia começado a trabalhar para ele como um de seus dois principais deputados quando Pacelli ainda era o secretário de Estado do Vaticano e continuou na mesma função quando, em 1939, Pacelli ascendeu ao papado. Em seu relatório final ao governo no ano seguinte, o embaixador francês cessante no Vaticano descreveu Montini como o homem mais próximo do coração de Pio XII e acrescentou: “Todos concordam em prever que o próprio Monsenhor Montini será papa”.

No entanto, embora fortemente identificado com seu patrono, Montini tinha uma mente própria. Ele veio de uma influente família católica do norte da Itália. Seu pai havia sido membro do parlamento do moderado Partido Popular Italiano Católico até Mussolini abolir todos os partidos não fascistas em 1926. Montini era um intelectual com gostos sofisticados em arte e literatura. Ele havia trabalhado discretamente nos bastidores, enquanto Pio XII era papa, para evitar que o Santo Ofício condenasse as obras do escritor Graham Greene. O comportamento do Vaticano no caso Finaly foi um negócio desagradável. O envolvimento de Montini em nome de Pio XII o incomodou na época? Deixou cicatrizes duradouras? Será que ele pensou no caso Finaly enquanto estava considerando as propostas do Concílio Vaticano II para mudar as atitudes de longa data da Igreja em relação aos judeus? Podemos não saber as respostas a essas perguntas tão cedo; os arquivos do papado de Paulo VI provavelmente não serão abertos por muitos anos.

Não faz muito tempo, consegui entrar em contato com Robert Finaly por e-mail em Israel, onde ele e Gérald – agora conhecido como Gad – moram desde que foram levados para lá por sua tia. Robert se lembrou do ambiente escolar em que eles foram mantidos, antes que sua família pudesse reivindicá-los, como um ambiente “100% católico”. Os alunos aprenderam que os judeus estavam destinados à condenação. Se não fosse pela persistência de sua família, ele e Gad provavelmente estariam morando em outro lugar – na França ou na Espanha – e, como Robert observou, se lembrariam de seu passado de maneira muito diferente. A vida que eles viveram em Israel tem sido notavelmente monótona. Gad seguiu carreira no exército israelense e, posteriormente, como engenheiro. Robert se tornou médico, assim como seu pai.

Fonte: theatlantic

SAIBA MAIS SOBRE OS JUDEUS NO FIM DOS TEMPOS CONFORME A PROFECIA BIBLICA

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Translate »